Televisão e espaço de revisitação: a formação de uma memória teleafetiva

Mario Abel Bressan Junior

Resumo


Este estudo objetiva analisar a televisão como espaço de revisitação social para a formação de uma memória teleafetiva do telespectador.  Analisa o Canal Viva, que consiste numa programação composta por reprises. Como metodologia aplicada, utilizamos a Análise de Conteúdo de Laurence Bardin, a qual estabelece a investigação sobre os sentidos semânticos dos comentários dos telespectadores publicados no site de rede social Twitter. Os resultados mostraram que, além de afetiva, há uma memória teleafetiva, resultante dos efeitos emocionais advindos com a televisão, da socialização e dos afetos construídos com os grupos de referência.  Há uma satisfação positiva em voltar ao passado por refazer um laço social com as reminiscências.


Palavras-chave


Televisão. Memória Teleafetiva. Memória Afetiva. Redes Sociais. Canal Viva.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-858320190.204-226



Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)