Violência Simbólica e Cidadania no Futebol: o discurso homofóbico em programas esportivos

Luiz Fernando Rodrigues Lemes, Ana Carolina Rocha Pessôa Temer

Resumo


Este artigo pretende compreender como o programa esportivo Jogo Aberto, da TV Bandeirantes, debate sobre comportamentos afetivos envolvendo atleta de equipes de futebol no Brasil. Para isso, foi escolhido o último caso de demonstração afetiva debatido pelo programa (beijo entre Emerson Sheik, ex-jogador do Corinthians, e o chefe de cozinha Isaac Azar). Para isso, partiu-se da concepção de que o futebol é um espaço marcado pela masculinidade e virilidade que rejeita comportamentos considerados fora desse padrão e, a partir desse cenário, a mídia esportiva deveria assumir a responsabilidade social de debater sobre o tema da sexualidade no esporte a partir da pluralidade de vozes. Foi utilizada a análise de discurso crítica com base nos dispositivos analíticos de Dijk (2015), que permitiu identificar as construções discursivas do programa que contribuíram para a disseminação de preconceitos e estereótipos negativos sobre os homossexuais.

Palavras-chave


Futebol; Homossexualidade masculina; Programa esportivo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-858320190.%25p



Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)