Um filme que pensa sobre si: o político e os fragmentos da história

Cristiane Freitas Gutfreind, Márcio Zanetti Negrini

Resumo


Analisamos a montagem de Imagens do Estado Novo 1937-45, de Eduardo Escorel, com o objetivo de observar a atualidade da narrativa, enfatizando os seus aspectos políticos. Examinamos, assim, como fragmentos de imagens utilizados pela decupagem articulam a interação entre o tempo presente e as imagens do Estado Novo. A subjetividade como traço narrativo mostra a reflexão que o filme suscita sobre si, a partir de seu narrador, e de vestígios que revelam o processo de montagem de arquivos. O filme elabora uma forma de pensar o político enquanto manifestação da história no tempo presente, abordando fatos que marcaram a primeira metade do século XX no Brasil.


Palavras-chave


Filme político. Cinema brasileiro. Estado Novo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-858320190.187-203



Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)