Edições Verdes da revista Época: gramáticas ecológicas no Jornalismo contemporâneo

Reges Toni Schwaab

Resumo


Ao olhar para as Edições Verdes da revista Época (2006, 2007, 2008), o presente texto propõe debater o discurso jornalístico sobre meio ambiente na indissociável relação de um texto e suas condições sócio-históricas de produção, com a discursividade que o constitui. Coloca em perspectiva o lugar discursivo da revista e os dizeres sobre meio ambiente das três edições para discutir como esse jornalismo nomeia o que é ser “verde” na contemporaneidade. O gesto de leitura considera, ainda, o atual cenário de riscos acerca das questões ambientais e o crescimento das abordagens sobre práticas ambientalmente corretas, significadas, pelo jornalismo, em sua tarefa de acolhida e construção de “gramáticas” – ecológicas, neste caso – ofertadas aos indivíduos para que se realizem enquanto cidadãos.


Palavras-chave


Jornalismo. Discurso. Meio ambiente.

Texto completo:

PDF




Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)