Ombusdman: a interrupção de uma fala transversal

Antônio Fausto Neto

Resumo


Reflete-se sobre as transformações dos ‘regimes de falas’ de processos interacionais desencadeados no âmbito jornalístico, a partir das estratégias discursivas que estruturam o trabalho do ombudsman como um disposititivo interpretante. Toma-se como referência a narrativa sobre a substituição do Ombusdman da Folha de São Paulo, motivada pela ampliação das condições de sua “fala intermediária” em “fala transversal”, e que se caracteriza pela ascensão do leitorado a uma nova modalidade de interação e crítica, junto ao ambiente da produção jornalística.

Palavras-chave


Ombusdman. Regulação. Dispositivos.

Texto completo:

PDF




 

Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

 

 Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

 Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)