Subsídios para uma gramática da imagem: uma abordagem peirceana

Anabela Gradim

Resumo


A cultura ocidental é eminentemente logocêntrica, no sentido em que o logos – conceito e discurso racional – desempenhou um papel central no seu desenvolvimento. Com a emergência de um novo paradigma no século XX – centrado no pós-modernismo e na cultura digital – o modelo assente no privilégio logocêntrico começa a ceder, à medida que uma torrente imparável de imagens toma o seu lugar. Este trabalho questiona o tradicional modelo linguístico aplicado à interpretação das imagens, examinando, através da semiótica de Peirce, se estas são susceptíveis de significar autonomamente, e reflete sobre os mecanismos que alimentam tal processo. A partir da inextricável ligação entre a linguagem e a experiência visual,  sugere-se que as figuras da retórica clássica poderiam enquadrar os alicerces de uma semiótica visual, providenciando uma teoria dos mecanismos da interpretação visual capaz de explicar todas as suas idiossincrasias. 


Palavras-chave


Imagem. Logocentrismo. Semiótica visual.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583201637.47-57



Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)