A fadiga da fática: interações mediais, questões semiópolíticas

Franciscu Sedda

Resumo


Neste artigo, gostaríamos de esboçar uma montagem flumínea de fragmentos extraídos da esfera da comunicação contemporânea – Facebook, que, no final de 2014, nos presenteou com um vídeo que celebrava o nosso “ano maravilhoso”; Umberto Eco, que, pouco antes de nos deixar, afirmava que as redes sociais “conferiram direito de palavras aos imbecis”; Barack Obama, que revelou se fechar no Salão Oval para assistir seriados de televisão; Papa Francisco, que enquanto usava Twitter declarava: “não assisto televisão” – a fim não apenas de explorar, com a ajuda da metodologia semiótica, as relações que atravessam e ligam estas micro-formações, mas, sobretudo, de destacar as complexas questões de sentido – afetividade, significatividade, intersubjetividade – implicadas no modo em que vivemos os medias. E, ainda mais profundamente, o modo em que os medias, nestes primeiros anos do século XXI, estão dando vida a novas interações. Como veremos, os sentidos e os effectos de estas interações estão profundamente conectados com uma nova centralidade da “função fática” da linguagem.

Palavras-chave


Semiótica. Mídias sociais. Interações mediais. Afetividade. Política.

Texto completo:

PDF (Italiano)


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583201637.152-175



Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)