Novas perspectivas para uma sistematização das teorias do jornalismo

Carlos Franciscato

Resumo


Os estudos sobre jornalismo possuem pelo menos um século de produção científica regular, embora seu lugar no universo acadêmico dependa ainda de disputas institucionais e sofra questionamentos sobre sua constituição como quadro teórico, disciplina ou campo de estudos. Se, por um lado, a discussão tem raízes epistemológicas a respeito dos elementos que dão solidez, densidade e convergência a teorias no tratamento de um fenômeno específico, é possível também conduzir esta reflexão olhando para a constituição e configuração histórica desses estudos. A proposta deste artigo é fazer um duplo movimento de leitura dessa obra intelectual sobre o jornalismo: primeiro, entender esse movimento histórico, suas raízes e trajetórias; depois, considerar uma perspectiva contemporânea, tomando por base questões sobre sua disciplinaridade. Este é um trabalho de caráter dedutivo, operando uma sistematização teórico-conceitual de tendências e traços de caráter mais geral desses estudos, com base em uma bibliografia de referência em jornalismo.


Palavras-chave


Teorias do Jornalismo. História da Ciência. Disciplinaridade. Campo científico. Progresso científico.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583201534.658-676



Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)