Comunicação, linearidade e não linearidade: costurando conceitos e práticas

Márcio Souza Gonçalves, Rafael de Oliveira Barbosa

Resumo


O texto discute a pertinência e o uso do conceito de linearidade para a análise dos meios de comunicação, notadamente dos meios que comportam textos, bem como sua validade como ferramenta para dar conta dos efeitos culturais e subjetivos dessas tecnologias. São mobilizados diferentes autores relativamente canônicos no campo da comunicação e é feita uma abordagem do caso dos audiolivros e dos audioleitores em sua relação com a ideia de linearidade. Problematiza-se, por fim, a eficácia e utilidade dessa ideia e de sua correlata, não linearidade, para dar conta do modo como a escrita e os textos produzem efeitos na cultura. As conclusões indicam diversos problemas envolvidos no uso do conceito de linearidade e de seus correlatos, o que implica, em última instância, na necessidade de seu abandono dada a incapacidade que apresentam de recortar eficazmente os domínios e objetos a que se aplicam.


Palavras-chave


Comunicação. Pensamento linear. Meio de Comunicação.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583201534.694-712



Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)