Notas sobre a pirataria de games no Brasil: inclusão (digital) dos pobres e resistência

José Carlos Messias

Resumo


O objetivo deste trabalho não é advogar sobre a pirataria sob um ponto de vista ético. Embora se reconheça a relevância deste debate, nossa análise se focará nas questões cognitivas e de produção de subjetividade ligadas às práticas piratas da cultura gamer. Defende-se que as subjetividades envolvidas na pirataria de games põem em movimento redes de sociabilidade, processos de autoformação e tutoria, manipulação de dispositivos técnicos complexos, além do estímulo a produção criativa e livre. O relato desta investigação em andamento se debruça sobre comunidades virtuais do site de relacionamento Orkut e sua comunidade Brazukas.


Palavras-chave


Entretenimento. Pirataria. Resistência. Games.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583201533.154-173



Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)