Filhos da sociedade de consumo: estratégias de diálogo com a criança-cliente

Saraí Patrícia Schmidt, Carolina Rigo

Resumo


O trabalho coloca em pauta estratégias persuasivas que pensam e tratam a criança como público-alvo, considerando o imperativo do consumo atual. A proposta problematiza o processo de construção da mensagem publicitária em um tempo no qual as crianças tornaram-se filhas da chamada sociedade de consumo. A análise contempla três entrevistas com profissionais de agência de publicidade realizadas em 2012, e tem como arcabouço teórico as contribuições de Zygmunt Bauman (1999, 2001, 2008, 2009), Beatriz Sarlo (1997), Néstor García Canclini (2008) e Renato Ortiz (2007). A pesquisa evidencia um reconhecimento da soberania da criança por parte do mercado, uma vez que a comunicação está ajustada e direcionada ao público infantil. Deste modo, as práticas consolidadas no exercício publicitário se encarregam de aproximar crianças e adultos enquanto clientes. Portanto, este estudo crê na responsabilidade que as agências de publicidade e seus profissionais têm em relação aos efeitos publicitários orientados à constituição das identidades e à cultura infantil. Deste modo, faz-se necessária a ampla discussão do assunto aqui proposto.


Palavras-chave


Mídia. Consumo. Criança. Publicidade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583201533.174-186



Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)