Filhos da sociedade de consumo: estratégias de diálogo com a criança-cliente

Autores

  • Saraí Patrícia Schmidt FEEVALE
  • Carolina Rigo Universidade Feevale

DOI:

https://doi.org/10.19132/1807-8583201533.174-186

Palavras-chave:

Mídia. Consumo. Criança. Publicidade.

Resumo

O trabalho coloca em pauta estratégias persuasivas que pensam e tratam a criança como público-alvo, considerando o imperativo do consumo atual. A proposta problematiza o processo de construção da mensagem publicitária em um tempo no qual as crianças tornaram-se filhas da chamada sociedade de consumo. A análise contempla três entrevistas com profissionais de agência de publicidade realizadas em 2012, e tem como arcabouço teórico as contribuições de Zygmunt Bauman (1999, 2001, 2008, 2009), Beatriz Sarlo (1997), Néstor García Canclini (2008) e Renato Ortiz (2007). A pesquisa evidencia um reconhecimento da soberania da criança por parte do mercado, uma vez que a comunicação está ajustada e direcionada ao público infantil. Deste modo, as práticas consolidadas no exercício publicitário se encarregam de aproximar crianças e adultos enquanto clientes. Portanto, este estudo crê na responsabilidade que as agências de publicidade e seus profissionais têm em relação aos efeitos publicitários orientados à constituição das identidades e à cultura infantil. Deste modo, faz-se necessária a ampla discussão do assunto aqui proposto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Saraí Patrícia Schmidt, FEEVALE

Doutora em Educação pela UFRGS na linha do Estudos Culturais. Docente no Mestrado em Processos e Manifestações e no Programa de Pós-Graduação em Inclusão Social e Diversidade Cultura da Universidade Feevale.

Carolina Rigo, Universidade Feevale

Mestranda em Processos e Manifestações Culturais e graduada em Comunicação Social.

Downloads

Publicado

2015-05-27

Como Citar

Schmidt, S. P., e C. Rigo. “Filhos Da Sociedade De Consumo: Estratégias De diálogo Com a criança-Cliente”. Intexto, nº 33, maio de 2015, p. 174-86, doi:10.19132/1807-8583201533.174-186.

Edição

Seção

Artigos