Só preto sem preconceito

Ricardo Fabrino Mendonça, Paulo Bernardo Ferreira Vaz

Resumo


Este trabalho realiza um passeio analítico pela narrativa imagética elaborada por jornais impressos de grande circulação, a fim de constatar a forma como negro-mestiços são representados nesses discursos de indubitável força. A análise de tais imagens será comparada a outra narrativa imagética: aquela estampada em livros didáticos de história. O trabalho constata a recorrência de certos padrões de representação visual que em nada contribuem para a construção de uma imagem positiva acerca do negro. É importante destacar o papel de tais narrativas na tessitura de identidades, permanentemente modificadas por interpelações discursivas. O papel dessas narrativas vê-se reforçado em tempos de valorização da imagem, especialmente em um país com grande número de não-leitores de textos. A última parte do texto busca levantar algumas possibilidades alternativas de um outro tipo de representação deste Outro.

Palavras-chave


Negro-mestiço. Narrativa imagética. Identidade/Alteridade.

Texto completo:

PDF




Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)