Mídia e previsão do tempo: uma questão de interpretação

Roberto Ramos, Liége Zamberlan

Resumo


As Tragédias possuem um sentido de purificação, conforme Aristóteles (1960). O Maremoto, ocorrido na Ásia, em 2004, matando mais de 300 mil pessoas, parece reivindicar uma nova demanda na Mídia. As previsões meteorológicas e climáticas precisam ser recicladas. Somente a Informação pode não ser suficiente. A Interpretação se esboça, de forma emergente, com emergência. Tais questões serão refletidas, neste ensaio, com os subsídios teóricos e metodológicos da Semiologia, de Roland Barthes.


Palavras-chave


Mídia. Semiologia. Meio Ambiente.

Texto completo:

PDF




Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)