O espetáculo não é o coveiro da razão: mídia e autonomia em Gilles Lipovetsky

Juliana Tonin

Resumo


O presente artigo pretende compreender, na obra de Gilles Lipovetsky, a relação entre mídia e autonomia na pósmodernidade. O objetivo do texto é motivado pelas reflexões acerca da sociedade do espetáculo de Guy Debord e suas interpretações sobre a impossibilidade de livre pensar/viver do sujeito que, em relação ao espetáculo/mídia, manteria sempre uma relação de sujeição, passividade, apagamento de sua singularidade. Através do pensamento de Lipovestky, a intenção é pensar no conceito da autonomia como possível elemento ativo na relação entre sujeito e mídia, ou sujeito e espetáculo. Para estruturar as ideias de Lipovestky em relação aos conceitos de autonomia, é necessário retomar as reflexões do autor em três diferentes conceitos/temas: hipermodernidade, os estudos sobre os processos da moda, e a era da pós-moral. Já a questão midiática ou do espetáculo é transversal na obra do autor, refletida em vários de seus textos. Far-se-á um recorte do que se considera mais relevante para fomentar a análise do objetivo proposto.

Palavras-chave


Mídia. Autonomia. Espetáculo.

Texto completo:

PDF




Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)