O corpo intersex e a politização do abjeto em XXY

Leandro Colling, Matheus Araujo dos Santos

Resumo


O que nos pode dizer o corpo intersex? Como este debate se amplia ao tratarmos de sua representação nos meios de comunicação, especialmente no cinema? No presente trabalho, a partir do filme XXY, dirigido por Lucia Puenzo, problematizamos estas e outras questões relacionadas aos corpos e desejos desviantes. Com um discurso subversivo e antipatologizante, XXY propõe um olhar atento em relação às subjetividades de tais vivências. Defendemos que o filme, em ressonância com os estudos queer, está atento para a politização dos corpos abjetos.


Palavras-chave


Intersex. Cinema. Queer. Abjeção.

Texto completo:

PDF




Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)