Observatório de Jornalismo Ambiental: um projeto de extensão em prol da cidadania

Autores

  • Eloisa Beling Loose Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Mathias Lengert Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Matheus Cervo Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

DOI:

https://doi.org/10.19132/1807-8583202253.110698

Palavras-chave:

Observatório de Mídia, Jornalismo Ambiental, Crítica jornalística, Extensão, Jornalismo e Cidadania

Resumo

Os observatórios de mídia podem ser vistos como atores políticos que apresentam resistências, com o papel social de apontar aos públicos outras formas de ver os acontecimentos. A partir desse entendimento, o Grupo de Pesquisa em Jornalismo Ambiental (GPJA), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), percebeu que a criação de um observatório dedicado à cobertura de meio ambiente poderia não só extrapolar os muros da universidade, levando as reflexões acadêmicas para outros espaços e praticando a extensão a partir de atividades de ensino e pesquisa, como também qualificar o debate ambiental no contexto brasileiro, fomentando o exercício efetivo da cidadania planetária. Este texto, de caráter analítico-exploratório, apresenta a iniciativa e discute os desafios associados à crítica jornalística ambiental. Ressaltam-se, como considerações finais, os limites identificados na produção empírica, decorrentes de uma lógica jornalística nem sempre associada à cidadania, e na própria manutenção dos projetos de extensão nas universidades, fatores que restringem o potencial pedagógico dos observatórios e, nesse caso, do debate sobre jornalismo ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eloisa Beling Loose, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Pesquisadora na área de comunicação e meio ambiente. Pós-doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS (2018), com bolsa Capes. Graduada em Comunicação Social - habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM (2007), mestre em Comunicação e Informação pela UFRGS (2010) e doutora em Meio Ambiente e Desenvolvimento pela Universidade Federal do Paraná - UFPR (2016). Realizou estágio doutoral, com financiamento da Capes, na Universidade do Minho (2014). Recebeu o Prêmio Capes 2017 pela melhor tese na área de Ciências Ambientais. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Jornalismo Científico e Ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: jornalismo ambiental, jornalismo científico, comunicação de riscos, revistas especializadas e aspectos da interface entre meio ambiente e comunicação. Já foi professora nos cursos de Jornalismo da UFPR e do Centro Universitário Internacional (Uninter). É vice-líder do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS) e membro da International Environmental Communication Association (IECA) e da Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor). Autora da obra "Jornalismo e Riscos Climáticos" (Editora UFPR/2020) e de de dezenas de artigos científicos e capítulos de livro. Atualmente é doutoranda em Comunicação na UFRGS e pesquisa as relações entre jornalismo, mudanças climáticas e suas formas de enfrentamento.

Mathias Lengert, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Bacharel em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Maria - campus Frederico Westphalen. Atuou no projeto de pesquisa "Enquadramentos discursivos em reportagens sobre o futuro do planeta", da mesma instituição, no qual foi bolsista de Iniciação Científica FIPE Jr. e CNPq.

Matheus Cervo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Graduado em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e atual mestrando do programa de pós-graduação em Comunicação (PPGCOM - UFRGS). Atuou como pesquisador nas áreas de Memória Ambiental e Comunicação Científica desde 2016 durante a participação das equipes técnica e de pesquisa no Banco de Imagens e Efeitos Visuais (BIEV/PPGAS/UFRGS). Realizou diversas pesquisas sobre Antropologia das Sociedades Complexas a partir do paradigma da Etnografia da Duração para compreender a imbricação entre Cidades/Natureza a partir do estudo de itinerários urbanos, memória coletiva e formas de sociabilidade. Para além da produção científica escrita sobre as temáticas aqui expostas, atuou como pesquisador na área teórica e técnica da gestão do patrimônio etnológico multimídia das cidades contemporâneas no Rio Grande do Sul no acervo do Biev Ufrgs a partir de pesquisas interdisciplinares entre os campos da Antropologia e da Comunicação.

Downloads

Publicado

2022-01-13

Como Citar

Loose, E. B., M. Lengert, e M. Cervo. “Observatório De Jornalismo Ambiental: Um Projeto De extensão Em Prol Da Cidadania”. Intexto, nº 53, janeiro de 2022, p. 110698, doi:10.19132/1807-8583202253.110698.

Edição

Seção

Artigos