A crise na beleza é uma crise ética

Autores

  • Mauricio José Melim Faculdade Ielusc

DOI:

https://doi.org/10.19132/1807-8583202253.108602

Palavras-chave:

Belo, Estética Contemporânea, Era Digital, Ética, Vínculo

Resumo

“A salvação do belo” reúne ensaios de crítica cultural. Para Byung-Chul Han, uma sociedade que cultua a imediaticidade e rejeita toda contrariedade é uma sociedade em que o belo – no sentido estético mais elevado – não pode aparecer. O belo pressupõe tempo e distanciamento, qualidades que a vida social contemporânea, convertida em mercadoria, não é capaz de oferecer. Para Han, a falta do belo sinaliza não só uma crise estética, mas também uma crise do convívio. Isso porque o sujeito adulado pela lógica da mercadoria vai-se fechando sobre si mesmo, negando a alteridade. A crise do belo é também uma crise da ética.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mauricio José Melim, Faculdade Ielusc

Mestre em Ciências da Comunicação (UNISINOS), doutorando em Ciências Humanas (UFSC). Professor da Faculdade Ielusc, nos cursos de graduação de Publicidade e Propaganda e Jornalismo.

Downloads

Publicado

2022-01-01

Como Citar

Melim, M. J. “A Crise Na Beleza é Uma Crise ética”. Intexto, nº 53, janeiro de 2022, p. 108602, doi:10.19132/1807-8583202253.108602.

Edição

Seção

Resenha