A Nike e o Brasil imaginado: a produção do comercial Mandingas para a Copa do Mundo de 2010

Autores

  • Fabio Eloi de Oliveira Universidade Metodista de São Paulo (Umesp)
  • Dimas A. Künsch Universidade Metodista de São Paulo (Umesp)

DOI:

https://doi.org/10.19132/1807-8583202152.108576

Palavras-chave:

Comunicação, Publicidade, Imaginário social, Compreensão, Nike

Resumo

Os quatro comerciais de lançamento das campanhas da Nike para as Copas do Mundo de 2006 a 2018, e particularmente o mais extenso deles, Mandingas, para a Copa de 2010, constituem o objeto deste ensaio, com foco no Brasil imaginado do qual essa produção publicitária deriva. Pretende-se mostrar como a maior empresa de artigos esportivos do mundo interage com o imaginário social, num duplo sentido, tanto da busca de seus referenciais nesse imaginário como, ao mesmo tempo, de alimento e reprodução dessas construções simbólicas por meio dos filmes produzidos. Metodologicamente, a pesquisa toma por base a Hermenêutica de Profundidade, como formulada por John B. Thompson, com o suporte da análise de conteúdo e à luz mais ampla da compreensão como método. O texto espera promover a compreensão a respeito de como a publicidade pode atuar como formadora de vínculos entre a marca e o seu público, o que significa, no caso específico, com a própria nação brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabio Eloi de Oliveira, Universidade Metodista de São Paulo (Umesp)

Doutor em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo (Umesp) e docente dos cursos de Comunicação e Administração da mesma instituição.

Dimas A. Künsch, Universidade Metodista de São Paulo (Umesp)

Doutor em Ciências da Comunicação pla Universidade Metodista de São Paulo (USP).

Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Metodista de São Paulo (Umesp).

Downloads

Publicado

2021-10-27

Como Citar

Oliveira, F. E. de, e D. A. Künsch. “A Nike E O Brasil Imaginado: A produção Do Comercial Mandingas Para a Copa Do Mundo De 2010”. Intexto, nº 52, outubro de 2021, p. 108576, doi:10.19132/1807-8583202152.108576.

Edição

Seção

Artigos