Terminologia e perspectivação: um estudo sincrônico dos termos utilizados no cultivo do cacau

Autores

Palavras-chave:

terminologia, estrutura social, perspectivação, variação terminológica

Resumo

Este trabalho consiste numa descrição terminológica do cultivo do cacaueiro em Medicilândia/Pará (Costa, 2009), apontando as relações sociais (Faulstich, 1999b; Gaudin, 1993a, 2003a) e cognitivas (Langacker, 2013) envolvidas no estabelecimento de usos terminológicos concretos convencionalizados pelos grupos envolvidos. O objetivo é investigar aspectos que levam a alterações linguísticas promovendo termos que representam a variação terminológica de grupos diferentes numa mesma atividade especializada. Os parâmetros de composição da amostra dizem respeitos aos profissionais, às entidades e ao tipo de lavoura. A coleta de dados foi realizada com o intuito de recolher a terminologia procedente de uma rotina de trabalho em interações mais espontâneas possíveis. Percebeu-se que a linguagem especializada do cacau revela o efeito de discursos ambientais. A hipótese central desenvolvida é de que a perspectivação atua na variação terminológica, em que há uma pressão contextual do fator social, motivando análises de termos e promovendo variação. As unidades terminológicas vinculadas nos textos especializados de diferentes entidades circunscrevem social, funcional e cognitivamente os usuários, as entidades, as concepções ecológicas vigentes, no espaço e tempo. Espera-se que este trabalho possa ser útil aos estudos sobre o mecanismo de circulação dos termos e o funcionamento da linguagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Celiane Sousa Costa, Universidade Federal do Oeste do Pará Universidade Federal do Pará

Aluna do Curso de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Pará; Docente da Universidade Federal do Oeste do Pará.

Marilucia Barros de Oliveira, Universidade Federal do Pará

Docente da Universidade Federal do Pará

Referências

Aito, Emmanuel (2000). Terminologie, dénomination et langues minoritaires face à la modernité: vers une interrogation soucieuse du social. Revue Terminologie et diversité culturelle. Montréal: Rifal. Terminologies Nouvelles, n°. 21, p. 46-51.

Costa, Celiane Sousa (2009). Glossário terminológico da cultura do cacau em Medicilândia/PA. Belém, PA: Universidade Federal do Pará, Instituto de Letras e comunicação. [Dissertação de Mestrado]

Faulstich, Enilde L. de J. (1999d). Princípios formais e funcionais de variação em terminologia. Seminário de Terminologia Teórica. Barcelona.

Ferrari, Lilian (2014). Introdução à linguística cognitiva. São Paulo: Contexto.

Gaudin, François (2003a). Socioterminologie: une approche sociolinguistique de la terminologie. Bruxelas: Duculot (Coleção Champs linguistiques).

_________ (1994b). La socioterminologie: presentation et perspectives. Revista Langage et travail, Cahier n°. 7, p. 6-15.

________ (1993a). Pour une socio-terminologie: des problèmes sémantiques aux pratiques institutionnelles. Rouen: Publications de l'Université de Rouen.

________ (1993a). Socioterminologie: du signe au sens, construction d'un champ. Meta, v. 38, n°. 2, Presses de l'Université de Montréal, p. 293-302. Disponível em: <http://id.erudit.org/iderudit/002812ar. Acesso em: 11 out. 2007.

Grondelaers, Stefan; Speelman, Dirk & Geeraerts, Dirk (2007). Lexical variation and change. In: Geeraerts, Dirk & Cuyckens, Hubert (Ed.). The Oxford Handbook of Cognitive Linguistics. New York: Oxford University Press, p. 987-1011.

Langacker, Ronald W. (2013). Essentials of cognitive grammar. United States of America/New York: Oxford University Press.

_________ (2007). Cognitive Grammar. In: Geeraerts, Dirk & Cuyckens, Hubert (Ed.). The Oxford Handbook of Cognitive Linguistics. New York: Oxford University Press, p. 421-462.

Traugott, E. C; Trousdale, G. (2013). The framework. Constructionalization and constructional changes. Oxford: Oxford University Press, p. 11-44.

Verhagen, Arie (2007). Construal and perspectivation. In: Geeraerts, Dirk & Cuyckens, Hubert (Ed.). The Oxford Handbook of Cognitive Linguistics. New York: Oxford University Press, p. 48-81.

Downloads

Publicado

2018-10-13

Edição

Seção

Artículos Sección Libre