A Educação Superior na Esteira da Internacionalização

Autores

  • Olgaíses Cabral Maués Universidade Federal do Pará
  • André Rodrigues Guimarães Universidade Federal do Amapá

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol35n22019.90971

Palavras-chave:

Educação Superior. Internacionalização. Organismos Internacionais.

Resumo

O objetivo do artigo é analisar o papel da internacionalização do ensino superior nos ditos países em desenvolvimento, a partir da ótica do BM e da OCDE, considerando-se a conjuntura na qual esse processo vem ocorrendo. O percurso metodológico teve como base a análise de documentos (SHIROMA et al., 2005) e do discurso (FAIRCLOUGH, 2001). Como resultado parcial, constata-se que a internacionalização vem sendo utilizada como uma forma de privatização e mercadorização do conhecimento, enquanto uma “nova” estratégia para o capital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Olgaíses Cabral Maués, Universidade Federal do Pará

Professora Titular da Universidade Federal do Pará. Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal do Pará, com mestrado em Educação pela Universidade de Brasília e doutorado em Sciences de L'éducation - Université des Sciences et Technologies de Lille III , Lille, França. Fez pós-doutorado na Université Laval, Quebec, Canada em 2002 e UFMG em 2011. Pesquisadora Produtividade do CNPq, Professora da graduação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPA. Ex Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPA. Ex Coordenadora do Fórum de Programas de Pós-Graduação do Norte, FORPRED Norte. Coordena Pesquisa, orienta em nível de graduação e pós-graduação. Trabalha com as seguintes disciplinas: Teorias da Educação; Políticas Educacionais, atuando principalmente nos seguintes temas: políticas públicas para a educação superior e educação básica, avaliação da educação, formação de professores, trabalho docente. Coordena na UFPA o Grupo de Estudo e Pesquisa sobre Políticas Educacionais, Formação e Trabalho Docente. Coordenou o PPGED/UFPA de 2014 a 2015. É membro associado do Centre de Recherche Interuniversitaire sur la formation et la profession enseignante. (CRIFPE), pertencente à UNIVERSITÉ LAVAL- Quebec, Canadá. É associada às seguinte entidades acadêmico-científicas : -Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação (ANFOPE); -Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação (ANPED); Sociedade Brasileira pelo Progresso da Ciência (SBPC ); Associação Nacional de Políticas e Administração da Educação (ANPAE).

André Rodrigues Guimarães, Universidade Federal do Amapá

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Pará (2014), Mestre em Desenvolvimento Regional pela Universidade Federal do Amapá (2008) e Licenciado em Pedagogia pela Universidade Federal do Pará (2003). Professor Adjunto III da Universidade Federal do Amapá. Atualmente é Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Amapá (2018-2018), tendo exercido a função de vice-coordenador no mesmo Programa (2017-2018). Coordenador Estadual da ANPAE no Amapá. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Políticas Educacionais, atuando principalmente nos seguintes temas: expansão e financiamento da educação superior, trabalho docente, função social da escolarização, neoliberalismo e reformas educacionais.

Referências

ALVES, G. O novo (e precário) mundo do trabalho: reestruturação produtiva e crise do sindicalismo. São Paulo: Boitempo, 2009.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 10. ed. São Paulo; Campinas: Cortez; Editora da Unicamp,2005.

______.A substância da crise e a erosão do trabalho. In: SAMPAIO JUNIOR, P. A. (Org.). Capitalismo em crise: a natureza e dinâmica da crise econômica mundial. São Paulo: Editora Instituto José Luís e Rosa Sundermann, 2009.

AZEVEDO, M.L.N. Internacionalização ou transnacionalização da educação superior: entre a formação de um campo social global e um mercado de ensino mundializado. Crítica Educativa, Sorocaba, v. 1, n. 1, p. 56-79, jan./jun.2015.

BERNHEIM, C.T. La calidad de la educación superior y su acreditación: la experiencia centroamericana. Revista Avaliação, Campinas, Sorocaba, v. 13, n. 2, p. 313-336, jun. 2008.

BM - BANQUE MONDIALE. L’enseignement superieur: les leçons de l’experience. Washington: Banque Mondiale, 1994. Disponível em: <http://documents.banquemondiale.org/curated/fr/502701468326672044/pdf/133500French0L1ement120superieur1fr.pdf>. Acesso em: 02 set.2018.

______. Construire les sociétés du savoir. Nouveaux défis pour l’enseignement supérieur. Quebec: Les Presses de l’Université Laval, 2003.

______. NotreMission. 2018. Disponível em:<http://www.banquemondiale.org/fr/what-we-do>. Acesso em: 02 out. 2018.

BM; OCDE. L'enseignement supérieur transnational: Un levier pour le développement. 2008. Disponível em: <http://www.oecd.org/fr/education/innovation-education/lenseignementsuperieurtransnationalunlevierpourledeveloppement.htm>. Acesso em: 22 dez. 2017.

CHAVES, V. L. J.; REIS, L. F.;GUIMARÃES, A. R. Dívida pública e financiamento da educação superior no Brasil. Acta Scientiarum, v. 40, n. 1, p. 1-12, 2018.Disponível em:<http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciEduc/article/view/37668/21760>. Acesso em 10 out. 2018.

CHESNAIS, F.A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

______. Mundialização: O Capital Financeiro no Comando. Revista Outubro, 5. Ed., p. 1-22, 2001.Disponível em: <http://outubrorevista.com.br/wp-content/uploads/2015/02/Revista-Outubro-Edic%CC%A7a%CC%83o-5-Artigo-02.pdf>. Acesso em: 19 maio 2018.

______. O capital portador de juros: acumulação, internacionalização, efeitos econômicos e políticos. In: CHESNAIS, F. (Org.). A finança mundializada: raízes sociais e políticas, configuração, consequências. São Paulo: Boitempo, 2005.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e Mudança Social. Brasília: Editoria da UnB, 2001.

FERREIRA, S.; OLIVEIRA, J. F. As influências da reforma da educação superior no Brasil e na União Européia nos papéis sociais da universidade. In: OLIVEIRA, J. F. (Org.). O campo universitário no Brasil: políticas, ações e processos de reconfiguração. Campinas: Mercado de Letras, 2011.

FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL. Why education is the key to development. 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2018.

FRIGOTTO, G. Educação e a crise do capitalismo real. São Paulo: Cortez, 1995.

______. A produtividade da escola improdutiva: um (re)exame das relações entre educação e estrutura econômico-social e capitalista. 5. ed. São Paulo: Cortez, 1999.

HARVEY, D. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 16. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2007.

______. O neoliberalismo: história e implicações. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2011.

HOBSBAWM, E.Era dos extremos: o breve século XXI: 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

IANNI, O.A era do globalismo. 10. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

KNIGHT, J. Internationalisation de l’enseignement supérieur. In: OCDE. Qualite et Internationalisation de l’Enseignement Supérieur. Paris: Les Editions de L’OCDE, 1999. p. 15-31. Disponível em:<http://ifgu.auf.org/media/document/Qualit%C3%A9_et_internationalisation_de_lenseignement_sup%C3%A 9rieur.pdf>.Acesso em: 20 maio 2017.

______. Modèle d’internationalisation ou comment faire face aux réalités et enjeux nouveaux. In: OCDE.L’Enseignement supérieur en Amérique Latine. La Dimension Internationale. Paris: Les Editions de L’OCDE, 2005. p. 11-45. Disponível em:<http://siteresources.worldbank.org/EDUCATION/Resources/278200-1099079877269/547664 1099079956815/Higher_Ed_in_LAC_Intnal_Dimension_FR.pdf>.Acessoem: 04 jan. 2017.

______. Updating the Definition of Internationalization. International Higher Education, n. 33, p. 2-3, 2015. Disponível em: <https://ejournals.bc.edu/ojs/index.php/ihe/article/viewFile/7391/6588>. Acesso em: 10 out. 2018.

LAUWERIER, T. L’Éducation au Service du Developpement. La vision de la Banque Mondiale, de l’OCDE et de l’UNESCO. Géneve. Revue L’Éducation em débats: analyse comparée, v. 8, p. 43-58, 2017.

LENIN, V. I. As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo.São Paulo: Global Editora, 1980.

LIMA, K. Contra-reforma na educação superior: de FHC a Lula. São Paulo: Xamã, 2007.

______. O Banco Mundial e a educação superior brasileira na primeira década do século. Revista Katálisys,v. 14, n.1, p. 86-94, 2011.Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-49802011000100010&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 15 set. 2018.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política. Livro Primeiro: o processo de produção do capital. São Paulo: Abril Cultural, 1983. V. 1. Tomo 1.

______. Salário, preço e lucro. 5. ed. São Paulo: Centauro, 2008.

MARXISTS INTERNET ARCHIVE. Dicionário Político. Plano Marshall. 2018.Disponível em:<https://www.marxists.org/portugues/dicionario/verbetes/p/plano_marshall.htm>. Acesso em 01 jul. 2018.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2002.

______. A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo, 2009.

______. Atualidade histórica da ofensiva socialista: uma alternativa radical ao sistema parlamentar. São Paulo: Boitempo, 2010.

______. Crise estrutural necessita de mudança estrutural. In: ENCONTRO DE SÃO LÁZARO, 2., 2011, Salvador. UFBA/FFCH. Disponível em: <http://www.ffch.ufba.br/IMG/pdf/Conferencia_Meszaros.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2018.

NETTO, J. P. Uma face contemporânea da barbárie. In: ENCONTRO INTERNACIONAL "CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE", 3., 2010, Serpa.Disponível em:<http://pcb.org.br/portal/docs/umafacecontemporaneadabarbarie.pdf>. Acesso em: 15 out. 2018.

OCDE - Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico. Enseignement supérieur: internationalization et commerce. Paris: OCDE, 2004. Disponível em: <https://www.oecd-ilibrary.org/fr/education/enseignement-superieur-internationalisation-et-commerce_9789264015074-fr>.Acesso em: 21 fev. 2017.

______. Enseignement supérieur pour la société de la connaissance. Rapport de synthèse. Paris: OCDE, 2008. Disponível em: <http://ifgu.auf.org/media/document/40345193.pdf>. Acesso em: 02 out. 2018.

______. Notre Mission. 2018. Disponível em: <http://www.oecd.org/fr/apropos>. Acesso em: 06 maio 2018.

PARLAMENTO EUROPEU. Direction Générale des Polítiques Internes. L’internationalisation de l’enseignement supérieur. União Europeia: Étude, 2015. Disponível em: <http://www.europarl.europa.eu/RegData/etudes/STUD/2015/540370/IPOL_STU(2015)540370_FR.pdf>. Acesso em: 08 fev. 2016.

ROSSI, W. Capitalismo e educação. 3. ed. São Paulo: Moraes, 1980.

SCHULTZ, T. W.O valor econômico da educação. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1973.

SGUISSARDI, V. Universidade brasileira no século XXI: desafios do presente. São Paulo: Cortez, 2009.

SHIROMA, E. et al. Decifrar textos para compreender a política: subsídios teórico-metodológicos para análise de documentos. Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 02, p. 427-446, jul./dez. 2005.

UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Política de mudança e desenvolvimento no ensino superior. Rio de Janeiro: Garamond, 1999.

Downloads

Publicado

2019-08-27

Como Citar

Maués, O. C., & Guimarães, A. R. (2019). A Educação Superior na Esteira da Internacionalização. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 35(2), 307. https://doi.org/10.21573/vol35n22019.90971