Discurso, estruturas e performatividade: compreendendo o mercado legal e ilegal de agrotóxicos em Livramento-Rivera

Autores

  • Arthur Borba Colen França Graduando UFRGS em Relações Internacionais/ Bolsista IC FAPERGS

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-0003.35802

Palavras-chave:

Fronteira, Contrabando, Livramento-Rivera, Performatividade.

Resumo

O estudo do mercado legal e ilegal de agrotóxicos, a partir da fronteira Brasil-Uruguai, com atenção especial para Santana do Livramento-Rivera, pode ser realizado compreendendo o estado como discurso, práticas estruturais estruturantes e performatividade, dentro da proposta de Kevin C. Dunn. Essa compreensão permite visualizar os atores definidores das normas nas diferentes escalas (local, regional, nacional e global), evidenciando que existem discursos divergentes sobre o que deveria ser o estado e sua atuação diante das trocas legais e ilegais de agrotóxicos, bem como posturas mais ou menos flexíveis diante dos marcos legais. Os discursos se materializam em estruturas e práticas, como aduanas, operações da Polícia Federal, planos de segurança fronteiriça e o próprio contrabando. Finalmente, procura-se compreender esses discursos e práticas como performances marcadas por posições de gênero, isto é, como ações que são reiterações das ações passadas, reafirmações que estruturam e dão significado à realidade, significando o espaço (o território e sua fronteira) a partir das normas (noções de segurança e transgressão), associadas a papéis de gênero. O que se busca com este texto é perceber que o estado essencializado, por vezes tido como um ator único e coeso, oculta certos aspectos do objeto em questão. Isso porque esse entendimento camufla os discursos divergentes e naturaliza práticas e estruturas que são, na verdade, produtos de discursos histórica, social e geograficamente situados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-11-16

Edição

Seção

Artigos