Fome e questão ambiental

Autores

  • Cleder Fontana PÓSGEA - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-0003.25654

Palavras-chave:

fome, ambiente, espaço, epistemologia da geografia, Josué de Castro

Resumo

O presente artigo problematiza uma possível aproximação do tema da fome com a questão ambiental. Para buscar argumentos que dêem conta do proposto, retoma elementos da história do pensamento geográfico. Com a afirmação de que a geografia é a ciência do espaço geográfico, busca expressar a compreensão de que a materialização do espaço é imprescindível das atividades humanas e, mais especificamente, do trabalho. A partir da definição de trabalho e espaço, se expressa a construção de uma leitura do último, por meio do conceito de ambiente, que sustente um estudo da fome, tangenciando seus vínculos com a questão ambiental. Recorre à história do pensamento geográfico brasileiro e toma-se a obra de Josué de Castro como possibilidade para a realização de um estudo do problema da fome, relacionado à problemática da questão ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleder Fontana, PÓSGEA - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorando em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, mestre em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande (2009), especialista em Geografia pela Universidade Federal de Pelotas (2007), licenciado em Filosofia pela Universidade Federal de Pelotas (2007), licenciado em Geografia pela Universidade Federal de Pelotas (2005). Integrante do Núcleo de Estudos Geografia e Ambiente - NEGA/UFRGS. Tem experiência na área de Geografia, atuando em geografia humana, epistemologia da geografia, história do pensamento geográfico, fome no Brasil e ensino da Geografia.

Downloads

Publicado

2012-11-16

Edição

Seção

Artigos