[1]
I. M. G. Bentz, “Fluxos e territorialidade: comunidade quilombola como linha de fuga”, IT, nº 37, p. 227–241, dez. 2016.