<I>Retrato calado</I> e <I>A resistência</I>: alguns aspectos formais da produção literária brasileira sobre a ditadura civil-militar (1964-1985)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/2236-6385.128480

Resumo

Analisando a obra ficcional A resistência, de Julián Fuks, e a obra memorialística Retrato calado, de Luiz Roberto Salinas Fortes, propõe-se investigar a relação entre literatura, testemunho e trauma no contexto da violação dos direitos humanos perpetrada pelo estado brasileiro no período da ditadura civil-militar (1964-1985) e sua absolvição pela lei da Anistia. O produto do silenciamento das violações de direitos humanos gera um ressentimento que age nas relações pessoais e nas instituições brasileiras. Sua elaboração pela literatura figura como instrumento de defesa dos direitos humanos, na ficção e na memorialística. Este trabalho responde à pergunta: quais as características formais comuns entre os relatos de violação de direitos humanos presentes nas obras Retrato Calado e A Resistência?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Henrique Sagebin Bordini, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestrando em Literatura Comparada na Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Downloads

Publicado

2023-07-17

Como Citar

BORDINI, H. S. <I>Retrato calado</I> e <I>A resistência</I>: alguns aspectos formais da produção literária brasileira sobre a ditadura civil-militar (1964-1985). Cadernos do IL, [S. l.], n. 64, p. 239–260, 2023. DOI: 10.22456/2236-6385.128480. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/cadernosdoil/article/view/128480. Acesso em: 28 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos de estudos literários