Visões estereoscópicas. Tarás Bulba, de Nikolai Gógol e o romance histórico de seu tempo

Autores

  • Biagio D'Angelo Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.22456/2236-6385.127994

Resumo

Discutiremos o papel da paródia no romance histórico de Nikolai Gógol, Tarás Bulba. Por meio de uma subversão dos gêneros literários, Gógol recria, ao interno do romance histórico, um verdadeiro mito cossaco rabelaisiano, que merece ser reconsiderado como o elo entre o romance histórico do Romantismo e o skaz de Leskov, até a prosa ornamental dos romancistas do início do século XX. A "visão estereoscópica" gogoliana é um convite para repensar a genealogia da narrativa historiográfica do Romantismo e se esse romance poderia ser ainda enquadrado efetivamente no gênero do romance histórico. Essa visão ambivalente nos permite dizer que Gógol prefigura um futuro em que os sistemas da literatura e da historiografia se apresentam sempre mais atualizados, porosos e dinâmicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-12-15

Como Citar

D’ANGELO, B. Visões estereoscópicas. Tarás Bulba, de Nikolai Gógol e o romance histórico de seu tempo. Cadernos do IL, [S. l.], n. 62, p. 61–83, 2021. DOI: 10.22456/2236-6385.127994. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/cadernosdoil/article/view/127994. Acesso em: 4 dez. 2023.

Edição

Seção

Artigos de estudos literários