“CIDADE ALHEIA”: OS PERCURSOS PELA REGIÃO PORTUÁRIA EM QUINCAS BORBA, DE MACHADO DE ASSIS, E A FALÊNCIA, DE JÚLIA LOPES DE ALMEIDA

Autores

  • Denise Estácio UFRGS

Resumo

Resumo: A região portuária do Rio de Janeiro oitocentista possui profunda relação com o tráfico de africanos escravizados e representa, portanto, um espaço reprimido no inconsciente coletivo pelo processo de modernização da cidade. Essa imagem fica patente nos percursos que Rubião, protagonista de Quincas Borba, e que Gervásio Gomes, de A falência, fazem pela região. Embora o período narrado nas obras seja separado por cerca de vinte anos, em ambos os romances se percebe o estranhamento que a área provoca nos dois homens da elite fluminense, para quem trabalho encontra-se vinculado à escravidão, mesmo no contexto de substituição da mão de obra urbana escravizada pela de imigrantes. Por meio do mapeamento de ambos os percursos procuramos preencher as lacunas históricas presentes nos textos e que apontam para o escravismo como trauma histórico latente.

Palavras-chave: Quincas Borba; A Falência; Rio de Janeiro; região portuária; trauma histórico.

 

Abstract: The port region of nineteenth-century Rio de Janeiro has a profound relationship with the trafficking of enslaved Africans and, therefore, represents a space repressed in the collective unconsciousness by the process of modernization of the city. This image is evident in the routes that Rubião, protagonist of Quincas Borba, and Dr. Gervásio Gomes, from A falência, make through the region. Although the period narrated in the texts is separated by about twenty years, in both novels the area causes a sense of strangeness in the two elite men, for whom work is linked to slavery, even in the context of the replacement of urban slave labor by that of European immigrants. By mapping both paths, we seek to fill the historical gaps in the texts that point to the latent historical trauma of slavery.

Keywords: Quincas Borba; A Falência; Rio de Janeiro; Port region; Historical trauma.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-08-03

Edição

Seção

ENSAIO/ESSAY