Antineoplásicos em tratamento de animais – riscos do descarte inadequado de dejetos contaminados ao ambiente

Autores

  • Carolina Novato Gondim Farmacêutica-Bioquímica, Universidade Federal de Lavras/ Departamento de Medicina Veterinária, Lavras - Minas Gerais.
  • Karina Heck Universidade Federal de Lavras
  • André Geraldo Cornélio Ribeiro Engenheiro Civil, Universidade Federal de Lavras/Departamento de Engenharia, Lavras - Minas Gerais.

Resumo

A oncologia é uma especialidade crescente na medicina veterinária. Os quimioterápicos são fármacos citotóxicos que possuem atividade mutagênica, teratogênica e/ou carcinogênica, sendo que uma das vias de contaminação pode ser por meio do contato com as excretas dos pacientes tratados. O manejo dos medicamentos utilizados é muitas vezes desconhecido ou negligenciado. A maioria das pesquisas que avaliam o risco ambiental e ocupacional oriundos da quimioterapia veterinária é baseada em dados relacionados a tratamentos voltados para humanos. Pouco é conhecido sobre os riscos de contaminação com os fluidos e excretas de animais. Este estudo objetivou a revisão do potencial risco de contaminação ambiental, à saúde humana e animal por dejetos de cães em tratamento oncológico. A avaliação dos riscos ainda permanece obscura, sem dados concretos. As orientações sobre o tempo de tratamento das excretas de animais após a administração de antineoplásicos devem ser revisadas, assim como a regulamentação do manejo destes fármacos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2024-01-08

Como Citar

NOVATO GONDIM, C. .; HECK, K.; CORNÉLIO RIBEIRO, A. G. Antineoplásicos em tratamento de animais – riscos do descarte inadequado de dejetos contaminados ao ambiente. Bio Diverso, Porto Alegre, v. 3, n. 1, p. 159–176, 2024. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/biodiverso/article/view/127253. Acesso em: 17 abr. 2024.

Edição

Seção

Revisão e Síntese