A PRAÇA INTERNACIONAL: A FRONTEIRA URBANA COMO TERRITÓRIO COMPARTILHADO

Autores

  • Eduardo Ramon Palermo Centro REgional de Professores. Rivera, Uruguai - Museo del Patrimonio REgional- Intendencia de Rivera, Uruguai
  • Andréa Hamilton Ilha Prefeitura Municipal de Sant`Ana do Livramento, SEPLAMA, RS

Palavras-chave:

Brasil- Uruguai, limites e fronteira, Conurbação - urbanização, Praça Internacional, Livramento-Rivera.

Resumo

Resumo: Impossível falar da fronteira Livramento-Rivera sem confrontar a forma como seus habitantes desenvolvem naturalmente suas relações com a vida cotidiana e a vida “legal”, definida pelas legislações de dois países que incidem neste território. Acostumados com os termos limites e fronteiras, nem sempre os compreendem ou conseguem aplicar.  Neste universo, estão constantemente negando e afirmando sua identidade fronteiriça. Oscilam na escolha de estar aqui ou ali conforme a conveniência. Faremos aqui uma narrativa baseada na análise histórica e espacial sobre como se deu a formação de Santana do Livramento-Rivera como conurbação urbana, tendo a Praça Internacional como principal referência e símbolo da identidade fronteiriça por ser um território compartilhado, compartilhamento este que ocorre também na história e na cultura.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Ramon Palermo, Centro REgional de Professores. Rivera, Uruguai - Museo del Patrimonio REgional- Intendencia de Rivera, Uruguai

Professor e Historiador, Mestre e Doutor em Historia REgional pela Universidade de Paso Fundo, RS. Diretor do Museu do Patrimonio na Prefeitura de Rivera, Uruguai. Coordernador e Diretor Responsavel da revista digital Estudios Historicos (www.estudoshistoricos.org)

Andréa Hamilton Ilha, Prefeitura Municipal de Sant`Ana do Livramento, SEPLAMA, RS

Arquiteta e urbanista, Especialista em Direito Urbanístico e Ambiental, trabalha na Prefeitura Municipal de Sant`Ana do Livramento, SEPLAMA, RS, pesquisadora na área do patrimônio cultural.

Downloads

Publicado

2020-12-17

Edição

Seção

Fronteiras: objetos espaciais da diferença e da identidade