[1]
T. O. Antunes, “1863: o ano em que um decreto - que nunca existiu - extinguiu uma população indígena que nunca deixou de existir”., Aedos, vol. 4, nº 10, jul. 2012.