Criticidade curatorial - sobre o papel de curadores independentes no campo da arte contemporânea

Autores

  • Beatrice von Bismarck HGB - Leipzig

Resumo

Desde os anos 1990, a curadoria vem alcançando uma intensa visibilidade no campo da arte contemporânea. A ação exemplar de Harald Szeemann, que inaugurou o papel do curador independente, como um agente que propõe exposições e atua em diversos eventos culturais sem, no entanto, estar atrelado a uma única instituição, abriu caminho para diferentes frentes em curadoria, fazendo com que o curador atingisse um nível de paridade junto aos artistas. Por outro lado, é esperado dos curadores independentes que, ao atuar dentro de contextos específicos, eles ativem relações entre as produções artísticas e as conexões com as questões culturais, políticas, sociais e econômicas, no intuito de atingir uma postura crítica quanto aos projetos apresentados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatrice von Bismarck, HGB - Leipzig

Professora de História da Arte e Cultura Visual na Academia de Artes Visuais (Hochschule für Grafik und Buchkunst) de Leipzig. De 1989 – 1993, fez parte do departamento de Arte do Século XX do Städel Museum, Frankfurt/Main. De 1993 – 1999, foi co-fundadora e co-diretora do projeto Kunstraum der Universität Lüneburg na Lüneburg University. De 2000 – 2012, foi diretora de programação da Galeria da Academia de Leipzig. Co-fundadora do projeto /D/O/C/K-Projektbereich. Em 2009 desenvolveu o programa Cultures of the Curatorial  no MA. Está com pesquisa em andamento de abril de 2015 a abril de 2017 financiada pelo programa Opus Magnum  do VWStiftung. Áreas de pesquisa atuais: a curadoria; os efeitos do neo-liberalismo e da globalização no campo da cultura; conceitos pós-modernos sobre o “artista”.

Downloads

Publicado

2016-07-31

Edição

Seção

Traduções