GERENCIANDO PROGRAMAS DE COMPENSAÇÃO AMBIENTAL DE USINAS HIDRELÉTRICAS: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA INDÍGENA NO PROCAMBIX

Autores

  • Sylvia Salla Setubal Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins - IFTO Campus Palmas http://orcid.org/0000-0002-6418-4537
  • Paulo Waikarnase Xerente
  • Elineide Eugênio Marques
  • Simone Athayde

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-6524.78392

Palavras-chave:

compensação ambiental, Xerente, co-gestão.

Resumo

A partir da análise dos documentos no processo de execução do Programa de Compensação Ambiental Xerente – Procambix e do desenvolvimento do Projeto “Gestão Participativa da Biodiversidade em Terras Indígenas Atingidas por Barragens Hidrelétricas na Amazônia Brasileira” (UFT/CAPES) surgiu a oportunidade de realizar esta entrevista com um indígena Xerente, que participou como gerente-executivo e membro do Conselho Gestor do Programa. O objetivo da entrevista é apresentar a experiência de povos indígenas no processo de gestão e execução de programas de compensação ambiental de empreendimentos hidrelétricos relatando suas dificuldades, apreensões e angústias, que permearam sua trajetória durante o desenvolvimento das ações do Programa. O povo indígena Xerente, vive nas Terras Indígenas (TI) Xerente e Funil, ocupando uma área de 184 mil hectares no município de Tocantínia, no Estado do Tocantins. Apesar de serem identificado nos estudos de viabilidade da usina não foram inseridos como população atingida do empreendimento para receber a mitigação dos impactos socioambientais. A entrevista com Paulo Waikarnase Xerente, foi realizada em duas etapas, a primeira em outubro de 2016 e, a segunda em 11 de agosto de 2017.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sylvia Salla Setubal, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins - IFTO Campus Palmas

Possui graduação em Curso Ciencias Biologicas pela Universidade Federal de Santa Maria (1985) e mestrado em Biociências (Zoologia) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1991). Atualmente é pesquisadora colaboradora do Instituto de Pesquisa Ambiental EKOS e professora de ensino básico, médio e tecnológ do Instituto Federal de Educação, Ciencia e ecnologia do Tocantins-Campus Pal. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: ecologia, meio ambiente, avaliação de impactos ambientais, pesca e aquicultura e educação a distância.

Downloads

Publicado

2019-06-30

Como Citar

SETUBAL, S. S.; WAIKARNASE XERENTE, P.; EUGÊNIO MARQUES, E.; ATHAYDE, S. GERENCIANDO PROGRAMAS DE COMPENSAÇÃO AMBIENTAL DE USINAS HIDRELÉTRICAS: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA INDÍGENA NO PROCAMBIX. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 165, 2019. DOI: 10.22456/1982-6524.78392. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/EspacoAmerindio/article/view/78392. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS