A DANÇA E O XAMANISMO: OS PROCESSOS EDUCATIVOS MITO-RITUALÍSTICO DO COTIDIANO GUARANI

Ana Luisa Menezes

Resumo


Este artigo busca desenvolver uma reflexão sobre a dança Guarani e o xamanismo, enfocando os aspectos mitológicos e ritualísticos dentro de um processo educativo e cotidiano. Na dança, a consciência da coletividade é vivenciada através do pensamento e do sentimento. A vivência provocada pelo coletivo na dança pode ser traduzida como nhandereté, corpo de todos, como divina e produtora de alegria. Nas intempéries do cotidiano, o Guarani produz beleza e alegria, porque são a expressão de suas identidades divinas. Através de conversas e depoimentos com os jovens Guaranis, buscou-se enfocar as elaborações feitas por estes, do conhecimento mitológico e da vivência cotidiana.O rito cumpre uma função vivificadora do mito e estes dois aspectos são percebidos como entrelaçados à dança e à Opy. Todos estes aspectos são vividos pelos jovens e adultos de uma forma muito inquietante que os levam à um movimento permanente de indagações, buscas e redefinições. Dentro desse processo, a Opy, o Karaí e a dança são destacadas como fundantes da cultura Guarani e servem como pontos de estabilização dentro de um cotidiano tão dinâmico. A dança, enquanto rito, transporta os Guaranis a um tempo de reconhecimento de suas identidades, de um ritmo de vida. O rito Guarani está ligado a uma estrutura profunda de organização coletiva emocional, dentro de uma função vital, de elevação espiritual e uma integração ao seu sistema de pertença. Para os Guaranis, Nhanderú ensinou a dança e mandou dançar a dança. Esta surge de uma percepção mitológica e o seu surgimento confunde-se com a própria existência Guarani. A espiritualidade nasce de uma relação vital, de movimento.A educação xamânica é apreendida pelos sentidos. A noção principal de conhecimento é o Arandurekó, conhecimento que se aprende ao longo da vida, num tempo-ritmo próprio. A dança-rito possibilita a conexão entre corpo e espírito, proporcionando uma escuta sensível dos gestos, das doenças, dos comportamentos como espaços reflexivos de aprendizagem. Pôr-se em movimento, no contexto ritualístico xamânico Guarani, estimula o transe, um estado alterado de percepção, como um fluir na mente, que permite que as imagens e os sentidos aflorem, estimulando um processo de aprendizagem vivencial e reflexivo. A educação de cada Guarani é permitir e favorecer esta conexão processual. Para isso, é exigido um esforço de toda uma vida, uma formação e também uma perseverança que muitos jovens almejam ter.

Palavras-chave


Dança Guarani, Mito, Rito, Xamanismo e Educação

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-6524.4686

Qualis Área de Avaliação Classificação ANTROPOLOGIA / ARQUEOLOGIA B1 CIÊNCIAS AMBIENTAIS B2 COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO B2 DIREITO B3 EDUCAÇÃO B3 HISTÓRIA B3 INTERDISCIPLINAR B2 LINGUíSTICA E LITERATURA B2 LINGUíSTICA E LITERATURA B2 MEDICINA II B5 PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL / DEMOGRAFIA B3 PSICOLOGIA B3 SOCIOLOGIA