“TODA A HISTÓRIA ESTAVA NA LÍNGUA”

REFLEXÕES SOBRE LÍNGUAS E LINGUAGENS EM LICENCIATURAS INDÍGENAS DE BRASIL E COLÔMBIA

Autores

  • Beatriz Osorio Stumpf UNISC
  • Luanda Rejane Soares Sito UNIVERSIDAD DE ANTIOQUIA

Resumo

Depois de cerca de vinte anos de implementação de licenciaturas indígenas na América Latina, ficam perguntas sobre as formas como esses programas estão realizando seus processos formativos. O objetivo de nosso artigo é analisar quatro casos de licenciaturas indígenas, em Brasil e Colômbia, que buscam romper com modelos de formação colonial e patriarcal. A partir dos depoimentos de professores/as desses programas, o texto oferece descrições de estratégias pedagógicas interculturais, em um enfoque na área de línguas e linguagens, originando reflexões sobre bilinguismo, letramento, alfabetização e produção de materiais pedagógicos, com seus potenciais de contribuição para as áreas da educação e da sociolinguística. Destacamos o lugar protagonista da prática docente, com exercícios dialógicos, aspectos colaborativos e metodologias baseadas em problemas contextualizados, os quais ilustram as políticas linguísticas que vêm sendo consolidadas através desses programas. Ressaltamos uma visão ampla de formação e de linguagem, com o uso de metodologias criativas e ativas que permitem aos estudantes aprender conteúdos disciplinares em enlace com sua história e comunidades de origem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Osorio Stumpf, UNISC

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEDU) da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC).

Luanda Rejane Soares Sito, UNIVERSIDAD DE ANTIOQUIA

Docente da Escuela de Idiomas, coordenadora do Grupo Educación, Diversidad e Inclusión-EDI.

Downloads

Publicado

2022-04-30

Como Citar

STUMPF, B. O.; SOARES SITO, L. R. . “TODA A HISTÓRIA ESTAVA NA LÍNGUA”: REFLEXÕES SOBRE LÍNGUAS E LINGUAGENS EM LICENCIATURAS INDÍGENAS DE BRASIL E COLÔMBIA. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 16, n. 1, p. 137–170, 2022. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/EspacoAmerindio/article/view/123714. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS