Fotografias Tumulares em uma Antiga Colônia de Isolamento Sanitário: Sobrevivências de um passado em desaparecimento

Daniele Borges Bezerra, Claudia Turra Magni

Resumo


Resumo: A política sanitária de isolamento compulsório adotada nos anos 1920 para controle da hanseníase (“lepra”), foi mote da tese de Daniele Bezerra. A pesquisa nos arquivos do Hospital-Colônia Itapuã (Viamão/RS), seguida de observação flutuante e registro fotográfico nas ruínas daquela microcidade, com atenção às narrativas verbo-visuais de seus poucos habitantes, converteu aquelas memórias difíceis em “monumentos-refratários” (Bezerra, 2019). Considerando a dimensão coletiva do cemitério, propomos uma narrativa visual das fotografias tumulares, que inscrevem esses vestígios como fantasmagorias e redobram a invisibilização de presenças socialmente indesejáveis. O simbolismo da lápide como lugar de memória (Nora, 1981) permite propor uma epistemologia daquelas “imagens órfãs” (Bruno, 2018), que resistem e “interrogam nosso tempo presente” (Samain, 2012). Considerando a noção de pessoa (Mauss, 2011) que subjaz a máscara mortuária, e a fotografia como “aparecimento de uma distância” (Benjamin, 1989) e como “ressurreição” (Barthes, 2010), compartilhamos da preocupação de Didi-Huberman (2013) sobre o risco de musealização do passado na forma de domesticação da violência institucional.

Palavras-chave: Narrativas verbo-visuais. Memória e esquecimento. Políticas sanitárias e invisibilidade.

 

TUMULAR PHOTOGRAPHIES IN AN OLD COLONY OF SANITARY ISOLATION: SURVIVALS OF A DISAPPEARING PAST

 

Abstract: The health policy of compulsory isolation adopted in the 1920s for leprosy control was the motto of Daniele Bezerra's thesis, co-author of this article. Research in the archives of the Hospital-Colônia Itapuã (Viamão/RS), followed by floating observation and photographic recording in the ruins of that microcity, with attention to the verb-visual narratives of its few inhabitants, converted those difficult memories into "refratting -monuments" (Bezerra, 2019). Considering the collective dimension of the cemetery, we propose a visual narrative of the tomb photographs, which inscribe these vestiges as phantasmagoria and redouble the invisibilization of socially undesirable presences. The symbolism of the gravestone as a place of memory (Nora, 1981) allows us to propose an epistemology of those "orphan images" (Bruno, 2018) that resist and "question our present time" (Samain, 2012). Considering the notion of the person (Mauss, 2011) that underlies the mortuary mask, and photography as "the appearance of a distance" (Benjamin, 1989) and as "resurrection" (Barthes, 2010), we share Didi-Huberman's (2013) concern about the risk of musealization of the past in the form of domestication of institutional violence.

Keywords: Verb-visual narratives. Memory and oblivion; Health policies and invisibility.


Palavras-chave


Memória coletiva; Isolamento compulsório; Narrativas verbo-visuais

Texto completo:

17-38 PDF

Referências


BARTHES, Roland. A câmara clara. Portugal: Edições 70, 2010.

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire: Um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1989.

______. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras escolhidas. Volume 1. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1987b.

______. Passagens. Tradução: Irene Aron. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2018.

BEZERRA, Daniele Borges. A RESSONÂNCIA AFETIVA DAS MEMÓRIAS COMO MEIO DE TRANSMISSÃO PARA UM PATRIMÔNIO DIFÍCIL: MONUMENTOS EM ANTIGOS LEPROSÁRIOS. 2019. 520f. Tese (Doutorado em Memória Social e Patrimônio Cultural) - Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural, Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2019.

BRUNO, Fabiana. Entre aparições, enigmas e revelações: atos de olhar, escavar e narrar a imagem. Anais do II SIPA Seminário Imagem, pesquisa e antropologia. Campinas: Unicamp. 2018. Disponível em: < https://www.sipa.ifch.unicamp.br/pf-sipa/anais_ii_sipa.pdf>. Acesso em 16 de jul. de 2019.

_______. Cartografia verbovisual da velhice: fotobiografias e montagens de

memórias. Revista Chilena de Antropologia Visual. Nº 10, Santiago, dez.

30-53 p. Disponível em .

Acesso em: 20 de jun. de 2016.

CALVINO, Italo. As cidades invisíveis. Tradução: Diogo Mainardi. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

DEBARY, Octave. Antropologia dos restos: Da lixeira ao museu. Tradução: Maria Leticia Mazzuzzhi Ferreira. Pelotas: UM2, 2017. Disponível em:. Acesso em dez. de 2017.

DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo: Uma impressão freudiana. Tradução: Claudia de Moraes Rego. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

DIDI-HUBERMAN, Georges. O rosto e a terra: onde começa o trato onde se ausenta o rosto. Tradução: Sonia Taborda. Porto Arte: Revista de Artes visuais. Porto Alegre. V.9, nº16 p.61-82, 1998b. Disponível em: .

_________. Cascas. Tradução: André Telles Cascas. Serrote: Uma Revista de Ensaios, Artes Visuais, Ideias e Literatura. São Paulo, nº 13, p. 99-133. 2013. Disponível em:

______. O que vemos, o que nos olha. Tradução: Paulo Neves. São Paulo: Editora 34, 1998.

DUBOIS, Philippe. O ato fotográfico e outros ensaios. Tradução: Marina Appenzeller. Campinas, SP: Papirus, 2012.

FONSECA, Cláudia Lee; MARICATO, Glaucia. Criando comunidade: emoção, reconhecimento e depoimentos de sofrimento. Intersecções, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p. 252-274, dez. 2013. Disponível em:

. Acesso em 23 de mar de 2018.

GOMIDE, Leila Regina Scalia. Órfãos de pais vivos. A Lepra e as instituições preventórias no Brasil: estigma, preconceito e segregação. São Paulo: USP, 1991. Dissertação de Mestrado da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas.

KOSSELECK, Reinhart, et al.. Les monuments aux morts comme fondateurs de

l´identité des survivantes. Revue de Métaphysique et de Morale, No. 1,

Mémoire, histoire (JANVIER-MARS 1998), pp. 33-61 Published by: Presses

Universitaires de France Stable URL: http://www.jstor.org/stable/40903577

MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. Traduzido por: Paulo Neves. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

NORA, Pierre. NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares.Tradução: Yara Aun Koury. In Projeto história. Revista do Programa de estudos de Pós Graduados em história e do Departamento de história da PUC- SP. São Paulo: Educ, 1981.

PÉTONNET, Colette. A observação flutuante: o exemplo de um cemitério parisiense. Antropolítica, Niterói, n.25, p.99-111, 2008.

WOLFF, Francis. O silêncio é a ausência de quê? apud NOVAES, Adauto (org.) Mutações: Treze notas sobre o silêncio e a prosa do mundo, São Paulo: Edições SESC, 2013.

SAMAIN, Etienne. As peles da fotografia: fenômeno, memória/arquivo, desejo. Visualidades, Goiânia, v.10. n.1, p. 151-164, jan-jun de 2012.

SELIGMANN- SILVA, Márcio. Antimonumentos: trabalho de memória e de resistência. Psicologia USP. São Paulo, Vol. 27, n.1, p. 49-60, jan-abr de 2016. Disponível em:




DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.99935

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - BIEV/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191