Aprendendo a Coabitar: Relações entre macacos-prego e humanos no Parque Nacional de Brasília (PNB)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/1984-1191.99508

Palavras-chave:

Questões ambientais. Natureza urbana. Relações interespécies

Resumo

O que separa os humanos dos animais? Esta questão clássica que paira sobre nossas cabeças dos até hoje reflete como sempre estamos procurando o que teríamos de especial em relação aos outros animais. Por não sabermos ao certo o que é, a fronteira que separa a humanidade da animalidade é nebulosa, ainda mais quando observamos nossos parentes mais próximos: os macacos. Posta esta questão, o presente ensaio fotográfico se coloca como uma tentativa de contribuir com o crescente debate sobre as relações entre humanos e animais e busca trazer uma reflexão sobre como as interações multiespecíficas em ambientes “urbanos” nos ajudam a pensar o mundo interpelando mais uma vez, a dicotomia “natureza” e “cultura”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Machado

Graduada em Ciências Sociais com habilitação em Antropologia Social e Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação do Departamento de Antropologia da Universidade de Brasília. Participa do Laboratório de Antropologia da Ciência e da Técnica (LACT).

Referências

DESCOLA, Phillipe. Outras naturezas, outras culturas. Tradução: Cecilia Ciscato. São Paulo: Editora 34, 2016.

INGOLD, Tim. Humanidade e Animalidade. Tradução: Vera Pereira. Companion Encyclopedia of Anthropology, Londres, Routledge, 1994.

MACHADO, Mariana. Compartilhando espaços, aprendendo a coabitar: etnografia sobre as relações entre humanos e macacos-prego no Parque Nacional de Brasília (PNB). Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação – Departamento de Antropologia, Universidade de Brasília. Brasília, 82p. 2019.

TSING, Anna. Viver nas ruínas: paisagens multiespécies no Antropoceno. Trad: Thiago Mota Cardodo et al. 1. ed. Brasília: IEB mil folhas, 2019.

Downloads

Publicado

2020-04-15