A Máquina e a Enxada: Economia moral e acumulação flexível no território das confecções em Pernambuco, Brasil

Berlano Bênis França de Andrade

Resumo


Resumo: Procuramos analisar neste artigo um conjunto de práticas realizadas por trabalhadores situados em espaços rurais no âmbito do universo das confecções de vestuários no interior do estado brasileiro de Pernambuco. O Polo de Confecções do Agreste de Pernambuco compreende-se como um aglomerado constituído majoritariamente por micro e pequenas empresas caracterizado por sua estrutura descentralizada em que a produção de peças de roupas se dá sob regime de subcontratação arregimentando grande número de mão de obra informal e familiar. Dessa forma, nos chama a atenção como se combina uma ordem moral camponesa com práticas que caracterizam a acumulação flexível do capitalismo. No nosso entender, a forma como o trabalho familiar é utilizado mobiliza uma economia moral de forma a engendrar relações não mercantis na produção e comercialização de mercadorias. Dialogando com dados tirados de nossa pesquisa realizada no município de Surubim, discutimos as tensões que envolvem as várias estratégias de reprodução social tecidas por unidades familiares com os diferentes padrões de acumulação de capital.

Palavras-chave: Agricultores Familiares. Economia Moral. Estratégias de Reprodução Social. Polo de Confecções do Agreste de Pernambuco. Trabalho

 

 

MACHINE AND HOE: MORAL ECONOMY AND FLEXIBLE ACCUMULATION IN TERRITORY OF MANUFACTURE IN PERNAMBUCO, BRAZIL

Abstract: We analyze in this article a set of practices performed by workers located in rural spaces within the universe of clothing manufacturing within the Brazilian state of Pernambuco. The Polo de Confecções do Agreste de Pernambuco is understood as a cluster composed mainly of micro and small enterprises characterized by its decentralized structure in which the production of garments is under subcontracting regimenting large informal and family labor. It strikes us how a peasant moral order is combined with practices that characterize the flexible accumulation of capitalism. In our view, the way family work is used mobilizes a moral economy in order to engender nonmarket relations in the production and marketing of goods. Dialogue with data taken from our research conducted in the city of Surubim, we discuss the tensions surrounding the various strategies of social reproduction woven by family units with different patterns of capital accumulation.

Keywords: Family Farmers. Polo de Confecções do Agreste de Pernambuco.  Social Reproduction Strategies. Moral Economy. Work


Palavras-chave


Agricultores Familiares; Economia Moral; Estratégias de Reprodução Social; Polo de Confecções do Agreste de Pernambuco; Trabalho

Texto completo:

50-75 PDF

Referências


ANDRADE, Berlano Bênis França de. Tem que saber se movimentar: trabalho, mobilidades e estratégias de famílias rurais no território das confecções no Agreste Pernambucano. Dissertação de Mestrado em Antropologia. Universidade Federal de Pernambuco, 2017.

BURNETT, Annahid. “As raízes rurais da Feira da Sulanca no Agreste pernambucano” Revista Extensão Rural, DEAER – CCR – UFSM. v.21, n.4, out./dez, 2014.

CARNEIRO, Maria José; PEREIRA, Jorge Luiz de Goes. “Tecendo novas estratégias: confecções em domicílios rurais em Nova Friburgo” In

CARNEIRO, Maria José (coord.) Ruralidades contemporâneas: modos de viver e de pensar o rural na sociedade brasileira. Rio de Janeiro, Mauad X – Faperj, 2012.

CHAYANOV, Alexander V. La organización de la unidad econômica campesina. Buenos Aires, Nueva Visión, 1985.

COMERFORD, John. “Vigiar e Narrar: sobre formas de observação, narração e julgamento de movimentações”. Revista de Antropologia. 57 (2): 107-142, 2014.

De CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano I: artes de fazer. Petrópolis, Vozes: 3ª ed., 1998.

ESPÍRITO SANTO, Wecisley Ribeiro do. Sulanqueiras. O trabalho com vestuário e outros ofícios no Agreste Pernambucano. Tese de Doutorado em Antropologia Social. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2013.

FUSCO, Wilson; VASCONCELOS, Valtemira Mendes. Migrantes e costureiros: trabalhadores do setor de confecções em Toritama-Pe. Cadernos de Estudos Sociais. 25 (1): 43-60, 2010.

GARCIA JR, Afrânio Raul. Terra e trabalho: trabalho familiar de pequenos produtores. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1983.

_____________________. O Sul: caminho do roçado: estratégias de reprodução camponesa e transformação social. São Paulo, Editora Marco Zero; Brasília, Editora UNB, 1990.

GOMES, Sueli de Castro. Dissertação de Mestrado em Geografia. Universidade de São Paulo, 2002.

HARVEY, David. O enigma do capital e as crises do capitalismo. São Paulo, Boitempo Editorial, 2011.

_____________. A Condição Pós-Moderna. São Paulo, Edições Loyola: 25ª Ed., 2014.

HEREDIA, Beatriz M. A. de. A morada da vida: trabalho familiar de pequenos produtores do Nordeste do Brasil. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1979.

KOFTI, Dimitra. “Moral economy of flexible production: Fabricating precarity between the conveyor belt and the household”. Anthropological Theory, 16(4) : 433–453, 2016.

LIRA, Sonia Maria. Muito Além das Feiras da Sulanca: a produção de confecção no Agreste/PE. Recife, Editora Universitária UFPE, 2011.

LIMA, Jacob Carlos; SOARES, Maria José Bezerra. “Trabalho flexível e o novo informal” Caderno CRH n. 37: 163-180, 2002.

LYRA, Maria. “Sulanca X muamba: rede social que alimenta a migração de retorno” São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 19: 144-154, 2005.

MELO, Mario Lacerda de. Os Agrestes: estudos dos espaços nordestinos do sistema gado-policultura de uso de recursos. Recife, SUDENE, 1980.

MENEZES, Marilda A. Redes e enredos nas trilhas dos migrantes: um estudo de famílias de camponeses-migrantes. Rio de Janeiro, Relume Dumará; João Pessoa, EDUFPB, 2002.

__________________. “Migrações: uma experiência histórica do campesinato do Nordeste”, In GODOI, Emília Pietrafesa de; MENEZES, Marilda A; MARIN, Rosa Acevedo (orgs.). Diversidade do campesinato: expressões e categorias, v. 2: estratégias de reprodução social. São Paulo, UNESP; Brasília, Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural, 2009.

MILANÊS, Renata B. Costurando roupas e roçados: as linhas que tecem trabalho e gênero no Agreste pernambucano. Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 2015.

RABOSSI, Fernando. “Em la uta de las confecciones”. Revista Crítica en Desarrollo. 02: 151-171, 2008.

RIBEIRO, Gustavo Lins. A Globalização Popular e o Sistema Mundial Não Hegemônico. Série Antropologia Vol. 432, Brasília: DAN/UnB, 2009.

SCOTT, James C. “Formas cotidianas da resistência camponesa”. Raízes, 21, 1: 10-31, 2002.

SCOTT, Russell Parry. “A Lógica Migratória Camponesa Sob O Capital” In

DUARTE, Renato. (Org.). Emprego rural e migração na América Latina. Recife, MASSANGANA, 1986.

__________________. “Projetos de desenvolvimento no rio São Francisco: administrando vocações e desigualdades” Campos 14(1-2): 15-36, 2013.

__________________. Migrações interregionais estratégia doméstiva:

Nordestinos, mobilidades e a casa até os anos 1980. Recife, Editora Universitária UFPE, 2014.

SEBRAE. Estudo econômico do arranjo produtivo local de confecções do Agreste pernambucano. Recife, SEBRAE, 2013.

SILVA, Maria Regina M. Batista e. O universo da bordadeira: estudo etnográfico do bordado em Passira. Dissertação de Mestrado em Antropologia Cultural. Universidade Federal de Pernambuco, 1995.

SILVA, Sandra Roberta. A juventude na “Sulanca”: Os desafios da inserção no mundo do trabalho em Taquaritinga do Norte – PE. Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais. Universidade Federal de Campina Grande, 2009.

SOUZA, Alana Moraes de. “A gente trabalha onde a gente vive”: A vida social das relações econômicas: parentesco, “conhecimento” e as estratégias econômicas no Agreste das confecções. Dissertação de Mestrado em Antropologia. Programa de Pós-graduação em Sociologia e Antropologia. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2012.

VAN VELSEN, J. “A análise situacional e o método de estudo de caso detalhado” In FELDMAN-BIANCO. Bela (org.) Antropologia das sociedades contemporâneas: métodos. São Paulo, Editora Unesp, 2010.

VÉRAS DE OLIVEIRA, Roberto. “O pólo de confecções do agreste de Pernambuco: ensaiando uma perspectiva de abordagem” In: 35º Encontro Anual da ANPOCS, 2011, Caxambu. Anais do 35º Encontro Anual da Anpocs. São Paulo, Anpocs, 2011.

WOORTMANN, Klaas. “Casa e família operária” In Anuário Antropológico. Universidade de Brasília, 1980.

__________________ “Migração Família e Campesinato”, In WELCH, Clifford A [et al.] Camponeses brasileiros: Leituras e interpretações clássicas, vol. I. São Paulo, UNESP; Brasília, Núcleo, 2009.




DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.98661

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - BIEV/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191