Encontros e Comensalidade nos Quilombos: O Devir Quilombo

Sonia Regina Lourenço

Resumo


Resumo: Este artigo se propõe a explorar a possibilidade de pensar a comensalidade como uma prática de produção do parentesco em alguns contextos quilombolas no território de Chapada dos Guimarães. Para tal, parte de contextos etnográficos das festas de santo e da perspectiva quilombola acerca das práticas coletivas de trabalho, trocas e comensalidades. Visa, sobretudo, mostrar como os quilombos se recriam em territórios existenciais em contextos de negação de sua existência como sujeitos. Quilombo é um devir. 

Palavras-chave:  Quilombo; Comensalidade; Chapada dos Guimarães.

 

 

Abstract: This article aims to explore the possibility of thinking of commensality as a kinship production practice in some quilombola contexts in the territory of Chapada dos Guimarães. To this end, it starts from the ethnographic contexts of the feasts of santo and the quilombola perspective about the collective practices of work, exchanges and commensalities. Above all, it aims to show how quilombos recreate themselves in existential territories in contexts of denial of their existence as subjects. Quilombo is a becoming.

Keywords: Quilombo, Commensality; Chapada dos Guimarães.


Palavras-chave


Quilombo; Comensalidade; Chapada dos Guimarães

Texto completo:

298-322 PDF

Referências


AUGÉ, Marc. Os domínios do parentesco. Filiação, aliança matrimonial, residência. Lisboa, Edições 70, 1975.

BANAL, Alberto & FORTES, Maria Ester P. (orgs.). Quilombos da Paraíba. João Pessoa: Imprell Gráfica e Editora, 2013.

BANDEIRA, Maria de Lourdes. Território Negro em Espaço Branco. Estudo antropológico de Vila Bela. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1988.

BRASIL. Censo Demográfico 2010. Características da população e dos domicílios Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

CARSTEN, Janet. A matéria do parentesco. Revista de Antropologia da UFSCar. R@U, 6(2), jul./dez. 2014: 103-118.

CARMO, D. A.; CARMO, A. P. B.; PIRES, J. M. B.; OLIVEIRA, J. L. M. Comportamento ambiental e toxidade dos herbicidas atrazina e simazina. Ambi-Agua,Taubaté, v. 8, n. 1, p. 133-143, 2013

GOLDMAN, Marcio. “Prefácio” in: SILVA, Ana Claudia Cruz da. Devir Negro. Uma etnografia de encontros e movimentos afroculturais. Rio de Janeiro, Papeis Selvagens, 2016.

CUNHA, Manuela Carneiro. “‘Cultura’ e cultura: conhecimentos tradicionais e direitos intelectuais”. In: ____. Cultura com aspas. São Paulo: Cosac & Naify. pp. 311-373.

DELEUZE, Gilles & GUATTARI, F. “Devir-Intenso, Devir-Animal, Devir-Imperceptível”in: _____Mil Platôs. Capitalismo e Esquizofrenia. (Tradução de Suely Rolnik). Vol. 4. SP: Ed. 34, 2005.

FÉLIX, Camila Corrêa. “Eles são cristãos como nós”. Humanos e encantados numa comunidade negra amazônica Dissertação de Mestrado. UFRJ, Programa de Pós-Graduação em Antropologia e Sociologia, 2011.

GUATTARI, Félix. Caosmose. Um novo paradigma estético. São Paulo: Ed. 34, 2008.

FERREIRA DA SILVA, Nayara Marcielly. Relatório Final Iniciação Científica (PIBIC-CNPq) – Projeto de pesquisa Cosmopolíticas, territórios, memórias e performances de comunidades negras de Chapada dos Guimarães-MT, Cuiabá, UFMT, 2016.

GOW, Peter. "Da Etnografia à História: 'Introdução' e 'Conclusão' de Ofmixedblood: kinshipandhistory in Peruvian Amazônia", Cadernos de Campo 14/15, pp. 197-226. 2006 [1991].

GOW, Peter. Of Mixed Blood: Kinship and History in Peruvian Amazonia. Oxford Studies in Social and Cultural Anthropology. Oxford: Oxford University Press, 1991.

HARTUNG, Miriam. Saberes reversos ou o difícil diálogo entre saberes tradicionais e poderes estatais in: Antropologia em primeira mão/Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, v. 115, 2009.

_____. Muito além do céu: Escravidão e estratégias de liberdade no Paraná do século XIX, Topoi, v. 6, n. 10, (jan-jun. 2005), pp. 143-191.

______. Parentesco, Casamento e Terra em um grupo rural de negros em Santa Catarina in: LEITE, Ilka Boaventura (org.). Negros no Sul do Brasil. Invisibilidade e Territorialidade. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 1996, pp. 105-130.

LANNA, Marcos P. D. A dádiva divina: troca e patronagem no nordeste brasileiro. Campinas: Editora da Unicamp, 1995.

LEITE, Ilka Boaventura. Os quilombos no Brasil: questões conceituais e normativas, Revista Etnográfica, v. 4, n. 2, (2000), p. 333.

_____. O legado do testamento: a Comunidade de Casca em perícia. Porto Algre: Ed. Da UFRGS; Florianópolis? NUER/UFSC, 2004.

_____. O projeto político quilombola: desafios, conquistas e impasses atuais, Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 3, (2008), p. 965-977.

LÉVI-STRAUSS, Claude. “Raça e História” in Antropologia estrutural dois. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1993.

LÉVI-STRAUSS, Claude. As Estruturas Elementares de Parentesco. Petrópolis: Vozes, 1993.

LITTLE, Paul. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Série Antropologia 322. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Brasília, 2002. pp.1-32.

MACÊDO, Ulla. A “dona do corpo”: um olhar sobre a reprodução entre os Tupinambá da Serra-BA. Dissertação de mestrado. Bahia: UFBA, 2007.

MACHADO, Juliana Salles. Lugares de gente: Mulheres, plantas e redes de troca no delta amazônico. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Museu Nacional – UFRJ. Rio de Janeiro, 2012.

MELLO, Marcelo Moura. Reminiscências dos Quilombos. Territórios da memória em uma comunidade negra rural. São Paulo: Ed. Terceiro Nome, 2012.

MESQUITA, José. Grandeza e Decadência de Serra-Acima. Cuiabá Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso Anos XII e XIV, números XXVII a XXVIII 1931 e 1932.

MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

MÜLLER, Cíntia Beatriz. Direitos Étnicos e Territorialização. Dimensões da territorialidade em uma comunidade gaúcha. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2011.

SAHLINS, Marshall. What Kinship Is and Is Not. Chicago and London: The University of Chicago Press, 2013.

SEEGER, A. DA MATTA, R. & VIVEIROS DE CASTRO, E. B. “A construção da pessoa nas sociedades indígenas brasileiras”, in Oliveira Filho, J. P., org., Sociedades indígenas & indigenismo no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ/Marco Zero, 1987, p. 11-29.

STENGERS, Isabelle. No tempo das catástrofes. Resistir à barbárie que se aproxima. São Paulo: Cosac 7 Naify, 2015.

STENGERS, Isabelle. Reativar o animismo. Caderno de Leituras n. 62. Tradução Jamille Pinheiro Dias. Chão da Feira, 2014.

TSING, Anna. Margens Indomáveis: Cogumelos Como Espécies Companheiras. Ilha. v. 17, n. 1, p. 177-201, jan./jul. 2015.




DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.95361

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - NUPECS/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191