“Só de ver a Gente Aprende”: Uma Etnografia dos Saberes e Práticas Alimentares de Mulheres que vendem Comida em Santarém/PA

Marla Elizabeth Almeida Reis, Raquel Wiggers, Solon Pessoa Godinho Neto

Resumo


RESUMO: O ato de comer e de preparar alimentos é repleto de sentidos pessoais, sociais, econômicos e psicológicos que envolvem saberes e técnicas adquiridos durante a vida e fornecem dados relevantes sobre a identidade dos povos. O objetivo deste artigo é analisar as escolhas alimentares que envolvem a atividade econômica de venda de comida aqui chamada de “botar banca”, desenvolvida por mulheres em bairros populares de Santarém/PA, tais como: a transmissão do conhecimento, os modos de preparar e armazenar a comida e as relações de sociabilidade em torno da banca. O botar banca é uma atividade econômica de venda de comida que ocorre em cima de uma mesa de madeira posicionada em frente à casa das vendedoras. Essa pesquisa se mostra relevante por se propor a analisar, a partir do “botar banca”, como hábitos alimentares que se constituem no silêncio das cozinhas falam sobre modos de vida, organização social e a identidade da população local.

 

PALAVRAS-CHAVE: Venda de comida. Santarém. Trabalho. Mulheres. Etnografia

 

ABSTRACT: The act of eating and preparing food is full of personal, social, economic and psychological meanings that involve knowledges and techniques acquired during life and provide relevant data about peoples' identities. The purpose of this article is to analyze the food choices that involve the economic activity of selling food here called “botar banca”, developed by women in low class neighborhoods of Santarém/PA, such as: the transmission of knowledge, the ways of preparing and storing food, and social relations around the selling table. Botar banca is a food selling economic activity that takes place on a wooden table in front of the sellers' house. This research proves its relevance by aiming to analyze, through the “botar banca”, how eating habits that take place in the silence of kitchens talk about ways of life, social organization and the identity of the local population.

KEYWORDS: Food selling. Santarem. Work. Women. Ethnography


Palavras-chave


Venda de comida; Santarém; Trabalho, Mulheres, Etnografia

Texto completo:

227-247 PDF

Referências


CARVALHO, Luciana. Cuias de Santarém: tradição, mercado e mudança em comunidades artesanais da Amazônia. Textos Escolhidos de Cultura e Arte Populares. Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 69-78, 2007.

CASCUDO, Luís da Câmara. Contos tradicionais do Brasil. São Paulo: Global, 2004.

CERTEAU, Michel de; GIARD, Luce; MAYOL, Pierre. A invenção do cotidiano 2: Morar, cozinhar. Petrópolis, Vozes, 1996.

CORBEAU, Jean-Pierre. L’imaginaire associée à divers types de consommation de gras et les perceptions de leur qualités. In Agro alimentaire: une économie de la qualité. Paris, ed. Nicolas, Valceschini, INRA-Economica p. 93-107, 1995.

DA COSTA, Tony Leão. Carimbó e Brega: Indústria Cultural e Tradição na música popular do norte do Brasil. Belém, Revista de Estudos Amazônicos, 2011.

DE OLIVEIRA, Nádia R. F; VELA, Hugo Aníbal. Escolhas alimentares, decisões culturais: a mulher define o que vai pra mesa. Florianópolis, fazendo gênero, 2008.

DORNELES, Darlan M; DO NASCIMENTO CHAVES, Lindinalva Messias. Breve glossário do tacacá. Revista Philologus, Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2014

FISCHLER, Claude. L’homnivore. Paris: Éditions Odile Jacob, 1993.

FLANDRIN, Jean-Louis; MONTANARI, Massimo. História da Alimentação: dos primórdios à Idade Média. Tradução de Maria da Graça Pinhão. Lisboa: Terramar, 2008.

FONSECA, Claudia. Família, Fofoca e Honra: etnografia de relações de gênero e violência em grupos populares. Porto Alegre, Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2000.

BRASIL, I. B. G. E. Instituto Brasileiro de geografia e Estatística. Censo demográfico, v. 2010, Brasília, 2010.

JACOBS, Jane. Morte e vida nas grandes cidades. São Paulo, Martins fontes, 2009.

MELLÃO, Renata; IMBROISI, Renato. Que Chita Bacana. São Paulo: A Casa, 2005

MONTANARI, Massimo. Comida como cultura. São Paulo: Editora Senac. 2008.

NEVES, Delma P. Lavradores e Pequenos Produtores de Cana.Rio de Janeiro, Zahar 1981.

NEVES, Delma P. Mulheres e mercado de trabalho: Aflições e conquistas. Mulheres em Santarém: Alternativa de vida (vol.I). Editora alternativa, Niterói, 2014.

PEIRANO, Mariza. Etnografia não é método. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 20, ed. 42, t. 377-391, 2014

PINDUCA E BANDA. Faixa Garota do Tacacá. In Carimbó e sirimbó do Pinduca. s.l., Beverly Som e Eletrônica LTDA (AMCLP – 5194), 2016.

PINDUCA E BANDA. Faixa Sinhá Pureza. In Carimbó e sirimbó do Pinduca. s.l., Beverly Som e Eletrônica LTDA (AMCLP – 5194), 1974. 1cassete son.

POULAIN, J. P. Sociologia da alimentação: os comedores e o espaço social alimentar. Tradução de Rossana Pacheco da Costa Proença, Carmen Sílvia Rial e Jaimir Conte. Florianópolis: UFSC, 2004.

POULAIN, Jean-Pierre; PROENÇA, Rossana Pacheco da Costa. O espaço social alimentar: um instrumento para o estudo dos modelos alimentares. Revista de Nutrição, 2003.

REIS, Marla. Mulheres e a venda de comida em bairros periféricos de Santarém/Pa. Santarém, Ufopa, 2016.

ROCHA, Maria Diaz; QUEIROZ, Mônica. O significado da cor na estampa do tecido popular: a chita como estudo de caso. Anais Colóquio de Moda, São Paulo, 2010.




DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.95104

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - NUPECS/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191