De Gregório de Matos Repentista e outros Improvisos na Literatura Colonial

Rafael Hofmeister de Aguiar, Ana Lúcia Liberato Tettamanzy

Resumo


Resumo: O presente trabalho aborda o improviso como elemento constituinte da poética brasileira do período colonial, sobretudo na obra de Gregório de Matos, questionando as posições etno e eurocentristas que incluem produções orais ibéricas trovadorescas e humanistas na historiografia das literaturas hispânica e luso-brasileira, mas excluem o cantar dos cantadores nordestinos e outros artífices da voz. Essa posição ainda assume, para justificar suas supressões, uma visada scriptocentrista, situando como composição escrita o que fora erigido na performance, como é o caso da obra de Gregório de Matos. Por isso, neste trabalho, realizamos uma abordagem histórica e filológica, permeada por uma sensibilidade antropológica, que questiona tais concepções. Para isso, habilita o papel histórico da viola como instrumento não só de auxílio à composição poética como também de sociabilização no Brasil Colônia e analisa com rigor filológico um corpus de composições do poeta baiano, evidenciando o papel da voz e da performance e realizando uma abordagem comparativista com os cantadores nordestinos.

 

Palavras-chave: Literatura luso-brasileira. Poéticas da voz. Pós-colonialismo. Gregório de Matos.  Improviso.

 

Abstract: The current work addresses the improvisation as a constituent element of the Brazilian poetics of the colonial period, especially in the work of Gregório de Matos, questioning the ethno and Eurocentric positions that include troubadour and humanistic Iberian oral productions in the historiography of Hispanic and Luso - Brazilian literatures, but they exclude the singing of the northeastern singers and other artists of the voice. This position still assumes, in order to justify its suppressions, a scriptocentrist aim, locating as written composition what had been erected in the performance, as it is the case of the work of Gregory of Matos. Therefore, in this work, we perform a historical and philological approach, permeated by an anthropological sensitivity, which questions such conceptions. To this end, it enables the historical role of the viola as an instrument not only to aid poetic composition but also to socialization in Brazil Colony and analyzes with philological rigor a corpus of compositions of the Bahian poet, highlighting the role of voice and performance and carrying out an comparativist approach with the northeastern singers.

 

Keywords: Luso-Brazilian literature. Poetics of the voice. Postcolonialism. Gregório de Matos. Improvisation


Palavras-chave


Literatura luso-brasileira. Poéticas da voz. Pós-colonialismo. Gregório de Matos. Improviso.

Texto completo:

32-68 PDF

Referências


AGUIAR, Rafael Hofmeister de. A cantoria concebida como sistema artístico-comunicacional: proposições a partir do conceito de Antonio Candido. Boitatá: Revista do GT de Literatura Oral e Popular da ANPOLL, n. 18, p. 191-210, jul- dez 2014.

____. Percorrendo trilhas interdisciplinares: aportes da antropologia visual para a pesquisa em literaturas orais e populares. In: Rafael Hofmeister de Aguiar; Daniel Conte. (Org.). Vozes da cultura popular: tradição, movência e ressignificações. 1ed.São Leopoldo: Trajetos Editorial, 2015, v. 1, p. 35-58.

AGUIAR, Rafael H. de; CONTE, Daniel; TETTAMANZY, Ana L. L. La inclusión de la literatura popular en la historiografía de la literatura brasilera: reflexiones desde la obra de Patativa do Assaré. Contribuciones a las Ciencias Sociales, v. 1, p. 1-15, 2017.

AMANCIO, Geraldo. De repente cantoria. 2. ed. Fortaleza: Premius, 2013.

BUDASZ, Rogério. A música no tempo de Gregório de Matos. Curitiba : DeArtes; UFPR, 2004.

BURKE, Peter. A invenção da biografia e o individualismo renascentista. Estudos históricos, n. 19, 1997.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. 9. ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 2000.

CONTE, Daniel; AGUIAR, Rafael Hofmeister de. Tradição representada: voz, oralidade e performance na cantoria sobre Patativa do Assaré. In: CONTE, Daniel; AGUIAR, Rafael Hofmeister de. Vozes da cultura popular: tradição, movência e ressignificação. São Leopoldo: Trajetos Editorial, 2015. p. 115-139.

CURTIUS, Ernst Robert. Literatura europeia e Idade Média latina. São Paulo: Hucitec, 1996.

ERNESTO FILHO, Pedro. Por dentro da cantoria. Fortaleza: Banco Nacional do Nordeste, 2013.

ESPÍNOLA, Adriano. As artes de enganar: um estudo das máscaras poéticas e biográficas de Gregório de Mattos. Rio de Janeiro: Topbooks, 2000.

FRENK, Marguit. Entre la voz y el silencio. La lectura en tiempos de Cervantes. México: Fondo de Cultura Económica, 2005.

____. Glosas do tipo popular en la antigua lírica. In: ____. Poesia popular hispánica: 44 estudios. México: Fondo de cultura económica, 2006. p. 413-447.

GONÇALVES, Leandro Márcio. O processo de difusão do violão clássico no Brasil através da “Escola de Tárrega” entre 1916 e 1960. Évora: Universidade de Évora, 2015.

HANSEN, João Adolfo. A sátira e o engenho: Gregório de Martos e a Bahia do século XVII. São Paulo: Ateliê Editorial, 2004.

HANSEN, João Adolfo; MOREIRA, Marcello. Para que todos entendais: a poesia atribuída a Gregório de Matos Guerra: letrasos, manuscritura, retórica, autoria, obra e público na Bahia dos séculos XVII e XVIII. Belo Horizonte: Autêntica, 2013. v. 5.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 7. ed. São Paulo: Perspectiva, 2012.

LAPA, M. Rodrigues. Lições de literatura portuguesa: época medieval. 7. ed. Coimbra: Coimbra, 1970.

LEMAIRE, Ria. Passions et positions: contribution à une sémiotique du sujet dans poésie lyrique médiévale en langues romanes. Amesterdam: Rodopi, 1987.

MATOS, Gregório de Matos. Poemas atribuídos/ Códice Asensio-Cunha. Belo Horizonte: Autêntica, 2013a. v. 1.

____. Poemas atribuídos/ Códice Asensio-Cunha. Belo Horizonte: Autêntica, 2013b. v. 2.

____. Poemas atribuídos/ Códice Asensio-Cunha. Belo Horizonte: Autêntica, 2013c. v. 3.

____. Poemas atribuídos/ Códice Asensio-Cunha. Belo Horizonte: Autêntica, 2013d. v. 4.

MOREIRA, Filipe Alves. Notas sobre a convivência de línguas em Portugal no século XV e a tradução da Crónica de Alfonso X. E-Spania: Revue interdisciplinaire d’études hispaniques médiévales et modernes, Paris, n. 13, juin 2012.

PEREIRA, Nuno Marques. Compêndio narrativo ao Peregrino da América. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 1939.

PESSOA, Almir. Improvisação à Viola Caipira. Dissertação (Mestrado em Letras), Universidade de Goiás, 2017.

RABELO, Manuel Pereira. Vida e obra do excelente poeta Gregório de Matos Guerra. In: MATOS, Gregório de Matos. Poemas atribuídos/ Códice Asensio-Cunha. Belo Horizonte: Autêntica, 2013. v. 1.

RIERA, Rubén. Cuatro improvisadores en dos tiempos. Música Enclave, v. 7 – 3, Sept.-Dic., 2013.

SAUTCHUK, João Miguel. A poética do improviso: prática e habilidade no repente nordestino. Brasília: UnB, 2012.

SILVA, Joaquim Norberto de Sousa e. História da literatura brasileira: e outros ensaios. Rio de Janeiro, RJ: Zé Mario Editor, 2002.

TOPA, Francisco. Edição crítica da obra de Gregório de Matos. Porto: Edição do autor, 1999.

VIEIRA, Ernesto. Dicionário musical. Lisboa: J. C. Pacinio, 1899.




DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.94751

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - NUPECS/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191