A Indignação Ferroviária: Envelhecimento e Trabalho em Pelotas/RS

Guillermo Stefano Rosa Gómez

Resumo


O artigo aborda o envelhecimento da comunidade de aposentados do trabalho ferroviário na cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul, a partir da perspectiva da Etnografia da Duração. Atentei para a pluralidade de imagens constitutivas das identidades narrativas dos ferroviários e de seus esforços de durar no tempo frente suas diferentes descontinuidades (aposentadoria, velhice, crise na ferrovia).  Enfoquei seus projetos, seus engajamentos, seus anseios por manutenção da memória coletiva. Evidencio como as maneiras de agir dos ferroviários, estão diretamente relacionadas com o “fim” desse modelo produtivo e com a dissolução de sua comunidade profissional. Pretendo demonstrar que a crise tem direta relação com a duração das memórias, não como sua antítese, mas como característica basilar dos atos de resiliência. Abordo os projetos de duração, desde os “desejos de memória” dos aposentados(as). Narro minha experiência de inserção nas redes dos aposentados ferroviários pelotenses, ponderando sobre como os esforços intelectuais podem ser aliados dos projetos de duração das populações trabalhadoras urbanas.

 

Abstract

The article approaches the process of aging of the retired railroad work community in the city of Pelotas from the point of view of the Ethnography of the Duration. It pays attention to the plurality of images that are constitute of the narrative identities of the railroad workers and of their efforts to endure in the time facing his multiple discontinuities as the retirement, the aging itself and the railroad transport crisis in Brazil. I focused on their projects, their engagements, their claimings for duration of the collective memory. I pointed out to the actions of the retired workers are directly implied with the impacts of “the end” of the productive model based on railroads and also related with the dissolution of their professional community. I intend to demonstrate that the crisis has direct relation with the duration of the memories not as their antithesis but much more as a base for the resilience actions. My experience between the social networks of the railroad community was the base for refletion that the anthropological efforts can be allies of the duration projects of the urban workers populations.

 


Palavras-chave


Antropologia do Trabalho. Antropologia Visual. Etnografia da Duração. Ferroviários. Pelotas.

Texto completo:

83-121 PDF

Referências


AMORELLI, Lara Caracciolo. Cultura organizacional e relações de poder: Mapeando a Rede Ferroviária Federal S.A., em liquidação. Dissertação apresentada à escola brasileira de administração pública e de empresas para obtenção do grau de mestre Fundação Getúlio Vargas, 2003.

BACHELARD, Gaston. A dialética da duração. São Paulo: Ática, 1988.

BOLTANSKI, Luc. & CHIAPELLO, Ève. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BOLTANSKI, Luc & THÈVENOT, Laurent . The sociology of critical capacity. European Journal of Social Theory 2(3): 359–377, 1999.

BOSI, Eclea. Memória e Sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

CALLONI, Humberto. Nos trilhos da história da ferrovia: Entrevista com Paulo Nilton de Carvalho. Rio Grande: Editora da FURG, 2010.

CERTEAU, Michel de. A invenção do Cotidiano: artes de fazer (Vol 1). Rio de Janeiro: Petrópolis, 1994.

CHAGAS, Fernanda da Silva. Bailes no Ferrinho: Entre ruínas, trilhos e trilhas. 2012. 60 f. TCC (Graduação) - Curso de Ciências Sociais, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2012.

CIOCCARI, Marte. Ecos do subterrâneo: Cotidiano e memória em uma comunidade de mineiros de carvão. Rio de Janeiro: Ventura, 2015.

COGLEY, Romina. Los ancianos en el cambio familiar. Mar Del Plata a comienzos Del siglo XXI. In: Álvarez, Norberto (compilador). Cuestiones de Familia. Problemas y Debates en torno de la familia contemporánea. Mar del Plata, Universidad nacional de mar del Plata, 2007

DEBERT, Guita Grin. A reinvenção da velhice: Socialização dos processos de re-privatização do envelhecimento. São Paulo: Edusp, 2012

DELUMEAU, Jean. História do medo no ocidente: 1300-1800, uma cidade sitiada. São Paulo: Companhia das Letras, 1989

DURAND, Gilbert. A imaginação simbólica. Lisboa, Perspectiva, 1980.

ECKERT, Cornelia. Os homens da mina. Revista Ciência Hoje, v. 7, n. 41, p. 36-42 1988.

________.Cornelia. Memória e trabalho: etnografia da duração de uma comunidade de mineiros do carvão (La Grand-Combe, França) Curitiba: Appris, 2012.

FÉLIX, Jorge. O idoso e o mercado de trablho. In. ALCÂNTARA, A.; CAMARANO, A.; GIACOMIN, K. (Orgs.) Política Nacional do Idoso: Velhas e novas questões. Rio de Janeiro: Ipea, 2016

GÓMEZ, Guillermo Stefano Rosa. Cidade, Trabalho e Narrativa: Etnografia Urbana com Ferroviários Aposentados em Pelotas. Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em Ciências Sociais sob Orientação da Drª. Claudia Turra Magni. Pelotas/UFPel: IFISP, 2015.

________. Guillermo Stefano Rosa. Vida e Trabalho de uma Ferroviária: Etnografia, Memória e Gênero. Anais Eletrônicos do Fazendo Gênero 11), 2017. Disponível em: http://www.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499991017_ARQUIVO_GOMEZ,G.S.R.-Vidaetrabalhodeumaferroviariaf.pdf

________. Guillermo Stefano Rosa. Etnografia da Crise e da Duração Ferroviária em Pelotas: Um estudo antropológico de memória coletiva. 238 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Antropologia Social, IFCH, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018a. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/179424

________. Guillermo Stefano Rosa. A locomotiva, o trem e o ferroviário: imagem e memória de uma masculinidade narrada no Sul do Brasil. Revista Latinoamericana de Antropología del Trabajo. Vol 2, No 4, 2018b. Disponível em: http://www.ceil-conicet.gov.ar/ojs/index.php/lat/article/view/418

________. Guillermo Stefano Rosa. Ferroviários natos e ferroviários por acaso: memórias familiares do trabalho. 42º Encontro Anual da Anpocs – Caxambu (MG) SPG 18: Família, migrações e trabalho. 2018c. Diponível em: http://www.anpocs.com/index.php/papers-40-encontro-3/spg-5/spg18-5/11483-ferroviarios-natos-e-ferroviarios-por-acaso-memorias-familiares-do-trabalho/file

GÓMEZ, Guillermo Stefano Rosa & MAGNI, Claudia Turra. Entre “Tucos” e “Bochas”: A potência fabulatória dos apelidos de ferroviários aposentados na cidade de Pelotas/RS. Sociabilidades Urbanas – Revista de Antropologia e Sociologia, v.1, n. 1, p. 101-116, março de 2017. ISSN 2526-4702. Disponível em: http://www.cchla.ufpb.br/grem/sociabilidadesurbanas/SocUrbs%20TURRAartigo.pdf

GONÇALVES, Marco Antonio. O real imaginado. Etnografia, cinema e surrealismo em Jean Rouch. Rio de Janeiro, Topbooks, 2008.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

HART, Keith. The Persuasive Power of Money. In: S. Gudeman (ed). Persuasion in Economic Life. Londres, Berghahn Books, 2007

HOLSTON, J. Cidade Modernista: uma crítica de Brasília e sua utopia. São Paulo: Companhia das Letras, 1993

INGOLD, Tim. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo

de materiais. Horizontes Antropológicos, v.18, n.37, 2012, p.25-44.

JEUDY, Henri-Pierre. Memórias do social. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1990.

LE GOFF, Jacques. Memória In. História e Memória. Campinas, SP Editora da UNICAMP, 1990.

LEFEBVRE, H. A Revolução Urbana. Belo Horizonte: UFMG, 1999

MAGNI, Claudia Turra & GÓMEZ, Guillermo Stefano Rosa. “Vida Nos Trilhos”: Desafios de um Projeto Participativo para Ensino, Pesquisa e Extensão em Antropologia Visual. Anais do 41º Encontro da Anpocs. 2017. Disponível em: .

NUNES, Ivanil. Douradense: A agonia de uma ferrovia. São Paulo: Annablume, 2005.

NUNES, Rojane Brum. A boca a esquina e o recanto: territórios urbanos e memória coletiva no centro de Santa Maria, RS.Santa Maria: Pallotti, 2013.

OLIVEN, Ruben George. A antropologia de grupos urbanos. Petrópolis: Vozes,

PARADELA, Celia Lima. Desestatização da rede ferroviária federal S/A. Impactos sobre os recursos humanos da administração geral. Dissertação de Mestrado em Administração Pública, Fundação Getúlio Vargas, 1998.

PEREIRA, Andressa Porto. Sonoridades do Trem na cidade de Pelotas-RS: Percepções e Significados. 2017. 112 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Antropologia Social, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2017.

RAPKIEWICZ, Y. S. Cidades, patrimônios e etnocolecionadores: uma etnografia das reminiscências ferroviárias no sul do Brasil. Dissertação de Mestrado, Departamento de Antropologia Social, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2018. Disponível em: . Acesso em 28/04/19

RAPKIEWICZ, Yuri S.& ECKERT, Cornelia. Entre trilhos e temporalidades: o tempo do trabalho nas memórias dos ferroviários aposentados de Porto Alegre. In: Cornelia Eckert, Ana Luiza Carvalho da Rocha. (Org.). Etnografias do Trabalho Narrativas do Tempo. 1ed. Porto Alegre: Pallotti, p. 276-303, 2015

RICOEUR, Paul. O si e a identidade narrativa. O si-mesmo como um outro. Campinas, Papirus, 1991.

ROCHA, Ana Luiza e ECKERT, Cornelia. O antropólogo na figura do narrador. In: O tempo e a cidade. Porto Alegre, UFRGS, 2005.

ROCHA, Ana Luiza Carvalho e ECKERT, Cornelia. Etnografia da duração. Porto Alegre: Marcavisual, 2013

ROCHA, Ana Luiza Carvalho e ECKERT, Cornelia. Etnografia do trabalho, narrativas do tempo. Porto Alegre: Marcavisual, 2015a.

ROCHA, Ana Luiza Carvalho e ECKERT, Cornelia. A preeminência da imagem e do imaginário nos jogos da memória coletiva em coleções etnográficas. Brasília: ABA, 2015b.

ROUCHOU, Joelle. Memória do olfato: o cheiro de jasmim. In. VELLOSO, Mônica, ROUCHOU, Joelle & OLVIEIRA, Cláudia. (Orgs.) Corpo: identidades, memórias e subjetividades. Rio de Janeiro: Mauad X, 2009

SCHUTZ, Alfred. In. WAGNER, Helmut R. (Org. e Introdução). Fenomenologia e relações sociais. Textos (escolhidos de Alfred Schutz). RJ, Zahar, 1979.

SEGATA, Jean. Dos cibernautas às redes. In SEGATA & RIFIOTIS (Orgs.) Políticas etnográficas no campo da cibercultura. Brasília: ABA publicações, 2016

SENNETT, Richard. A cultura do novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2015a.

SILVA JUNIOR, Roberto. O transporte ferroviário de cargas no Brasil e na Argentina: da implantação à recente privatização. Revista de Economia Política e História Econômica, número 07, junho de 2007.

SILVEIRA, Márcio Rogério. A importância geoeconômica das estradas de ferro no Brasil. 2003. xxii, 453 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, 2003. Disponível em: .

SIMMEL, G. O Dinheiro na Cultura Moderna. In: Jessé Souza e Berthold Oëlze (orgs). Simmel e a Modernidade. Brasília, Editora da Universidade de Brasília, 1998

SIMÕES, J. A. Provedores e Militantes: imagens de homens aposentados na família e na vida pública. In: Família e Envelhecimento, Clarice Peixoto (org.). Rio de Janeiro: FGV, 2004.

VELHO, Gilberto. Individualismo e Cultura: Notas para uma Antropologia da sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.




DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.93289

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - NUPECS/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191