A desterritorialização dos saberes e fazeres antropológicos e o desentendimento no corpo de verdade da letra

Autores

  • Priscila Farfan Barroso BIEV/PPGAS/UFRGS
  • Rafael Lopo BIEV/PPGAS/UFRGS
  • Ana Luiza Carvalho da Rocha BIEV/PPGAS/UFRGS
  • Viviane Vedana BIEV/PPGAS/UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.22456/1984-1191.9325

Resumo

O tema da desterritorialização/descolonização dos saberes e fazeres antropológicos pela via da crítica ao estatuto da escrita na construção da representação etnográfica e dos processos de mundialização, vem engendrando ao longo das ultimas décadas o debate acerca da ética do antropólogo diante da diversidade cultural. Instrumento de poder ou via real do saber adotamos com J. Rancière o ponto de vista segundo o qual o ato da escrita é ato de partilha do sensível (modos do fazer, modos do ser e do dizer) para refletir sobre as condições que cercam a etnografia como texto.  Com isto a intenção é recolocar alguns dos dilemas que vive a Antropologia em termos das possibilidades da escrita etnográfica configurar-se como uma partilha do sensível entre os próprios antropólogos.

 

Segundo postula J. Rancière, mais do que a partilha de um saber objetivo ancorado no estatuto de uma linguagem de "verdade" que emana da letra, órfã, a partilha do sensível é lugar desde onde o inteligível se apresenta, não mais o inteligível como o entendimento recortando os objetos, mas como parte do comum de sentido construído por uma comunidade. Interessa-nos neste artigo pensar o comum de sentido que os próprios antropólogos atribuem ao lugar da escrita para a produção de seus saberes e fazeres. Em especial, ao se colocar as diferenças da etnografia fora do trabalho de campo e no interior do corpo da letra, descobrimos que a escrita antropológica é coisa política porque recoloca o diálogo entre civilizações nos termos das relações entre, por um lado, um conjunto comum partilhado de saberes e, por outro, a sua divisão em partes exclusivas (saberes tradicionais/saberes científicos, o que pertence ao “nativo”/o que pertence ao etnógrafo).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-12-03

Como Citar

BARROSO, P. F.; LOPO, R.; ROCHA, A. L. C. da; VEDANA, V. A desterritorialização dos saberes e fazeres antropológicos e o desentendimento no corpo de verdade da letra. ILUMINURAS, Porto Alegre, v. 9, n. 22, 2008. DOI: 10.22456/1984-1191.9325. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/article/view/9325. Acesso em: 30 set. 2022.