Corpo e espaço como categorias para se conhecer uma cidade: um estudo sobre diversidade cultural, formas de sociabilidade e identidade no 3º FSM em Porto Alegre/RS

Olavo Ramalho Marques

Resumo


Os versos de Rilke, citados por Bachelard em sua obra intitulada “A poética do espaço” (2000: 189; 200), nos mostram, nos termos de uma abordagem fenomenológica, que o espaço, enquanto mera exterioridade, não possui sentido. O espaço que tem significado para nós é aquele revestido de uma carga simbólica adquirida através da experiência. Creio que Rilke nos traz uma imagem de mundo que, se não é “grande” em termos da extensão de nosso conhecimento sobre ele, é profundo como o mar no que diz respeito à dimensão afetiva que carregamos dele - dimensão esta construída a partir das vivências que experimentamos no decorrer de nossas vidas. A imagem que carregamos dos ambientes nos quais vivemos está fortemente embebida de recordações e significados, já que “o espaço percebido pela imaginação não pode ser o espaço indiferente entregue à mensuração do geômetra. É um espaço vivido. E vivido não em sua positividade, mas com todas as parcialidades da imaginação” (BACHELARD, 1993: 19).

 

E é através do corpo que experimentamos todas as nossas vivências. Ele constitui-se enquanto elo fundamental que liga homem e mundo; é unidade a partir da qual o homem é e está no mundo. É isso o que preconiza a abordagem fenomenológica a respeito do corpo, que o sustenta enquanto medida de tudo para o homem. Esta abordagem tem em Merleau-Ponty o seu principal pensador. O autor realiza uma crítica contundente à divisão cartesiana da realidade em res cogitans e res extensa, em outras palavras, em fenômenos físicos e em fenômenos mentais. Sonia Maria Maciel traz a luz esta discussão (1977), alegando que Merleau-Ponty esforça-se por superar o famoso dualismo cartesiano, que separa e opõe corpo e mente ou corpo e alma, estabelecendo o corpo enquanto categoria transcendental que fundamenta todo o nosso conhecimento. O

corpo consiste em nossa abertura primeira para o mundo.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.9221

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - BIEV/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191