Capitania do Maranhão: A percepção da natureza para o homem do século XVIII e as práticas científicas de Portugal

Alessandra Cristina Costa Monteiro

Resumo


Esta pesquisa busca conhecer as práticas científicas na Capitania do Maranhão na segunda metade do século XVIII no contexto da História Natural de Portugal. Na oportunidade, pensar as relações do homem com a natureza a partir do estudo das remessas de gêneros naturais enviados do Maranhão para a Europa, está entre as preocupações. Para tanto utilizamos como fonte as correspondências trocadas entre os governadores desta Capitania e o Secretário de Estado de Negócios da Marinha e Ultramar, Martinho de Melo e Castro no período de 1773 à 1790. Portanto, com a introdução da História Natural a apropriação da natureza vai emergir enquanto principal fator de projeção científica e econômica. Ao fornecer informações que beneficiavam a atividade agrícola e o comércio, as descrições possibilitaram o conhecimento de novos produtos e fontes de matéria-prima que serviriam para o desenvolvimento do comércio e da ciência. Tratava-se de conhecer, classificar e dominar o território e suas potencialidades estreitando os laços entre Portugal e seus domínios.

Palavras – chave: Natureza. Maranhão. Século XVIII.

 


Palavras-chave


História Natural. Natureza. Maranhão. Século XVIII.

Texto completo:

146-168 PDF

Referências


CAMARGO, Téa. Colecionismo, Ciência e Império. In: CEDOP – IV Jornada Setecentista, pp. 576-587, 2005, p. 557. Disponível em: . Acesso em: 05/01/2017.

CARVALHO JUNIOR, Eduardo Teixeira de. Verney e a questão do Iluminismo em Portugal. Dissertação apresentada ao curso de Pós-Graduação em História, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2005.

CARVALHO JÚNIOR, Almir Diniz de. “Tapuia – A inversão do índio da Amazônia nos relatos da Viagem Filosófica (1783-1792)”. In: CARVALHO JÚNIOR, Almir Diniz de; NORONHA, Nelson Matos de (orgs.). A Amazônia dos viajantes: história e ciência. Manaus: Universidade Federal do Amazonas, 2011.

CONCEIÇÃO, Gisele Cristina. Estudos de Filosofia Natural: O olhar europeu sobre a fauna e a flora do Novo Mundo ao longo do século XVIII, In. IV Encontro Internacional de Jovens Investigadores em História Moderna, Porto, 2015.

COSTA JÚNIOR, Flávio Pereira. UM MARANHÃO ILUSTRADO? História e natureza na correspondência entre D. Rodrigo de Sousa Coutinho e D. Diogo de Sousa (1798-1801). Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Maranhão, São Luis, 2016.

DOMINGUES, Ângela. “Para um melhor conhecimento dos domínios coloniais: a constituição das redes de informação no Império português no final dos Setecentos ”. História, Ciência e Saúde ― Manguinhos, vol. 8, p. 823-838, 2001.

DUARTE, Regina Horta. História e Natureza. Belo Horizonte: Autentica, 2005.

FALCON, Francisco Calazans, A época pombalina (política económica e monarquia ilustrada), São Paulo, Ática, 1982.

FIGUEIRÔA, Silvia. F. de M; SILVA, Clarete Paranhos da; PATACA, Ermelinda Moutinho. Aspectos mineralógicos das “Viagens Filosóficas” pelo território brasileiro na transição do século XVIII para o século XIX. História, Ciências, Saúde - Manguinhos, vol. 11(3): 713-29, set.-dez. 2004.

GUIMARÃES, Natally Nobre. O homem que viajava: o caráter dos homens que empreitaram a aventura científica do Século das luzes a partir da experiência Portuguesa. Revista Vernáculo, n. 19 e 20, 2007.

HEYNEMANN, Claúdia Beatriz. História Natural na América Portuguesa- 2º metade do século XVIII, Vária História, Belo Horizonte, n. 20, p. 97- 117, 1999.

KETTLE, Wesley Oliveira. UM SÚDITO CAPAZ NO VALE AMAZÔNICO (OU LANDI, ESSE CONHECIDO): Um outro significado da descrição das plantas e animais do Grão- Pará. Dissertação apresentada ao Programa de Pós Graduação em História Social da Universidade Federal do Pará, Belém, 2010.




DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.91475

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - NUPECS/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191