As Novas Tecnologias e o Campo dos Saberes em Antropologia

Ana Luiza Carvalho da Rocha

Resumo


A complexidade das formas de conhecimento em Antropologia, para além da problemática da era pós-moderna, adquire um sentido novo quando confrontada com novas tecnologias e suas formas mais integrativas, criativas e interativas de geração de conhecimento, seja enquanto veículo de disseminação da cultura contemporânea, seja como objeto de estudo dos tempos e dos espaços sociais daí decorrentes.

Sem dúvida há que dimensionar as recentes descobertas em tecnológica virtual enquanto fenômeno que se integra ao trajeto que instituiu a própria ordem ontológica ou axiológica da estrutura do conhecimento humano, desde seus primórdios, apoiando-se os em estudos já clássicos sobre o assunto.

No caso particular da Antropologia, isto significa não a possibilidade do pesquisador empregar tais recursos advindos do desenvolvimento desta técnica e desta linguagem como suporte-ilustração da argumentação de sua experiência “em campo”, mas, principalmente, de aceitar o desafio de gerar novas estruturas narrativas na produção de estudos etnográficos, a partir da exploração de hipertextos que estão para além da escrita alfabética.

Tomando como foco central o espaço de problemas que gera, na construção de narrativas etnográficas, a utilização de novas tecnologias, tratarei, aqui de pensar algumas encruzilhadas epistemológicas daí decorrentes, lugar de onde se descortina os horizontes de uma antropologia no cyberspace.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.8923

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - BIEV/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191