Violências na Escola: Diferentes Atores e Interpretações

Ângela Maria Pereira da Silva, Gehysa Alves Guimarães, Eliete Ribeiro Falcão, Doris Cristina Gedrat, Miriam De Melo, Nathalia Weigel, Natália Boff Oliveira, Débora Luiza Christ Londero, Luisa Soares Russo, Johana Grigio

Resumo


Esta pesquisa surge em meio ao cenário contemporâneo no qual as práticas sociais estão cada vez mais permeadas pelas múltiplas formas de violência em contraponto à aprovação do Novo Plano Nacional de Educação, que excluiu várias temáticas sociais dos currículos escolares, dentre elas a violência. As discussões abordadas neste texto são derivadas da pesquisa “Saúde na Escola: o enfrentamento das violências”, que tem como objetivo conhecer a percepção de professores e alunos sobre as violências na escola. O estudo é descritivo, de série de casos, com abordagem qualitativa, envolvendo um total de 74 participantes, desses 60 alunos e 14 professores de duas escolas estaduais de um município da Região Metropolitana de Porto Alegre/RS. Os resultados apontam que na atualidade questões como condições e relações de trabalho, além das relações sociais estabelecidas entre a direção, professores e alunos nas escolas se tornam impeditivos para a aplicabilidade de uma política efetiva na prevenção às violências. À medida que a escola é atravessada por uma série de demandas decorrentes das transformações societárias que extrapolam os currículos. Os dados demonstram que um sujeito atribui ao outro (corpo diretivo, professores, alunos) a perpetuação da violência, ou seja, cada qual não se percebe perpetuador da violência no contexto escolar.

Palavras chave: Violências. Currículos escolares. Escola. Saúde.

 

VIOLENCES AT SCHOOL: DIFFERENT ACTORS AND INTERPRETATIONS 


ABSTRACT

This research emerges amid the contemporary scenario in which social practices are increasingly permeated by the multiple forms of violence as opposed to the approval of the New National Education Plan, which excluded several social themes from school curricula, among them violence. The discussions addressed in this text are derived from the research "Health in School: Coping with Violence", which aims to know the perception of teachers and students about violence in school. The study is descriptive, case series, with a qualitative approach, involving a total of 74 participants, of these 60 students and 14 teachers from two state schools of one city in the Metropolitan Region of Porto Alegre / RS. The results point out that, at the present time, issues such as working conditions and relations, as well as the established social relations between management, teachers and students in schools, have become impediments to the applicability of an effective policy in the prevention of violence. As the school is crossed by a series of demands arising from the societal transformations that extrapolate the curricula. The data demonstrate that one subject attributes to the other (governing body, teachers, students) the perpetuation of violence, that is, each one does not perceive perpetuator of violence in the school context.

Keywords: Violence. School curricula. School. Cheers.


Palavras-chave


Violências. Currículos escolares. Escola. Saúde.

Texto completo:

210-226 PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.89032

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - NUPECS/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191