"A Urca é o paraíso dos cegos": mobilidade urbana, acesso à cidade e territorialização

Olivia von der Weid

Resumo


A cidade do Rio de Janeiro, com quase 12 milhões de habitantes na região metropolitana, é a segunda maior aglomeração urbana do Brasil. O artigo propõe uma reflexão a respeito das relações sociais em espaços públicos estabelecidas nessa cidade entre pessoas cegas e outras pessoas que circulam por ruas de bairros como Centro, Copacabana ou o bairro da Urca. Ao abordar os deslocamentos e as relações sociais estabelecidas ao longo do percurso, procura-se traçar a impressão espacial e urbana de pessoas cegas e o fluxo dos seus itinerários. Como se constroem os trajetos e a ocupação espacial da cidade por pessoas cegas? Qual o uso que fazem dos transportes públicos? Quais são os cenários eleitos, os bairros frequentados e as dificuldades encontradas no caminho? Ao questionar as representações que pessoas cegas fazem dos cenários urbanos, os fatores que promovem e os fatores que restringem sua mobilidade, procura-se também desestabilizar uma compreensão do espaço urbano centrada no olhar. Busca-se incorporar na descrição dos lugares os seus aspectos vividos, os elementos, as materialidades e os sinais não-visuais que possibilitam sua apreensão.

Palavras-chave: Cegueira. Corpo. Deslocamento. Cidade. Teritorialização.

"Urca is the paradise of the blind": urban mobility, acess to the city and territory

Abstract

The city of Rio de Janeiro, with nearly 12 million inhabitants in the metropolitan area, is the second largest urban agglomeration in Brazil. This paper proposes a reflection on the social relations in public spaces established in that city between blind people and other people moving through the streets of neighborhoods like the city center, Copacabana or Urca. Addressing the displacements and the social relations established along the route, the article seeks to trace the urban and spatial impressions of blind people and the flow of their itineraries. How the blinds build their paths and how they spatially occupy the city? What is their use of public transport? What are the elected scenarios, frequented neighborhoods and the difficulties they find in their way? By questioning the representations of urban scenes by blind people, the factors that promote and factors that restrict their mobility, we also seeks to destabilize an understanding of urban space focused on vision. We try to incorporate in the description of places their experienced aspects and the elements, materiality and non-visual signals that enable their apprehension.

Keywords: Blindness. Body. Displacement. City. Territory. 


Texto completo:

65-96 PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.53140

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - BIEV/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191