“Não é mole não, pedi transporte público e me deram um caveirão”: uma descrição não distanciada das manifestações políticas de junho e julho de 2013 no Rio de Janeiro

Anelise dos Santos Gutterres

Resumo


 

O mês de junho de 2013 ficou conhecido pela quantidade de protestos e manifestações políticas, que levaram milhões de pessoas às ruas. No interior desse atos as reivindicações se desdobraram das iniciais – que questionavam as remoções para as obras da Copa e eram contra o aumento da passagem - e se tornaram igualmente numerosas. A repressão policial às manifestações foi violenta e o fim da polícia militar se tornou uma reivindicação no processo de construção dos atos nas ruas. Esse relato descreve os protestos e manifestações no Brasil a partir de minha experiência enquanto manifestante nas ruas do Rio de Janeiro. O que descreverei aqui está entre as duas dimensões, por vezes antagônicas, que a etnografia acaba nos impondo: a neutralidade e o "afetamento".


Palavras-chave: Protestos. Rio de Janeiro. Favela. Repressão policial. Etnografia

“It's not easy, I ask for public mobility and government sends Skull[1] against me” – a close up narrative of the political protests between 2013 june and july in Rio de Janeiro.

Abstract

June 2013 became famous for the amount of protests and political events that led millions of people to the streets. Within this demonstrations, the initial claims unfolded, questioning removal for the works made in the cities for the World Cup and standing against the fare increase for public transportation, and became numerous. The repression exerted by the police against demonstrations and the dissolution of Military Police became one of the claims demanded on the streets. This report is a description of what happened between the two dimensions, sometimes antagonistic, that ethnography imposes: neutrality and “being affected”.

 

Key-words: Protests. Rio de Janeiro. Slum. Repression police. Ethnography.


[1] Skull is the nickname for the Bushwacker the Special Operations Corps of Rio de Janeiro's Police, and this verse was one of the many slogans sang by the people)


Texto completo:

360-382 PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.42307

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - BIEV/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191