Reza não é música: a lamentação das almas na Chapada Diamantina

Carolina Pedreira

Resumo


No ritual de lamentação das almas, um grupo de pessoas envoltas por lençóis brancos, em sua maioria mulheres, sai pelas ruas e becos das cidades realizando paradas em igrejas, cemitérios, cruzeiros e encruzilhadas, lugares em que se entoam preces, benditos e incelências. As saídas acontecem durante toda a Quaresma e representam um luto anual pela Paixão de Cristo. O foco do presente estudo recai sobre o 'terno das almas', como é chamado o grupo de rezadeiras em Andaraí, cidade localizada ao sul da Chapada Diamantina. O texto apresenta um panorama da devoção com enfoque no ritual de lamentação e seus elementos principais. O objetivo do artigo é trazer os universos textual e musical dos benditos rezados no contexto do ritual para o cenário analítico, passando por uma aproximação ao jarê, uma variante do “candomblé de caboclo” na região.


Palavras-chave


Rituais. Lamentação. Rezadeiras. Benditos. Jarê.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.15532

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - BIEV/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191