Existência, resistência e ativismo: entrevista com Vi Grunvald

Daniela Guedes dos Santos, Ketti Maria Cardozo da Rosa, Guilherme Vieira Bertollo, Mário Ferreira da Silva

Resumo


Estudantes do Navisual entrevista Vi Grunvald sobre a realização do documentário Domingo e sobre o projeto de pesquisa “Família Stronger”, estudo de um coletivo de pessoas LGBTQIA+ da periferia de São Paulo.

Palavras-chave: Trajetória. Existência. Resistência. Ativismo. Documentário

 

 

Existence, resistance and activism: interview with Vi Grunvald


Abstract: Students from Navisual interviews Vi Grunvald about the making of the documentary Domingo and about the research project “Família Stronger”, a study of a collective of LGBTQIA+ people from the outskirts of São Paulo.

Keywords: Trajectory. Existence. Resistance. Activism. Documentary


Texto completo:

197-236 PDF

Referências


ABU-LUGHOD, Lila. Melodrama egípcio: uma tecnologia do sujeito moderno?. Cadernos Pagu, Campinas, n.21, p.75-102, 2003[2002].

APPADURAI, Arjun. The Production of Locality. In Modernity at Large: Cultural Dimensions of Globalization. Minneapolis, University of Minnesota Press, 1996, p. 178-99.

BAZIN, André. A ontologia da imagem fotográfica. In: XAVIER, Ismail (Org.). A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Graal/Embrafilmes, 2008[1945].

BENEDICT, Ruth. Configurações de cultura na América do Norte. In: CASTRO, Celso (org.) Cultura e personalidade. Rio de Janeiro: Zahar, p. 66-109, 2005.

BIEHL, João. Antropologia do devir: psicofármacos - abandono social - desejo. Revista De Antropologia, São Paulo, 51(2), p. 413-449. 2008.

CARSTEN, Janet. Cultures of relatedness: new approaches to the study of kinship. Cambridge, Cambridge University Press, 2000

CARTIER-BRESSON, Henri. O instante decisivo. In. BACELLAR, Mario Clark (Org). Fotografia e Jornalismo. São Paulo: Escola de Comunicações e Artes (USP), p. 19-26, 1971.

CHEN, Nancy. “Speaking nearby”: a conversation with Trinh Minh-ha. Visual Anthropology Review, vol.8, n.1, 1992.

CORREA, Mariza. Do feminismo aos estudos de gênero no Brasil: um exemplo pessoal. Cadernos Pagu, Campinas, n. 16, p. 13-30, 2001.

DE LAURETIS, Teresa. A Tecnologia do Gênero. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de. (Org.). Tendências e Impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, p. 206-242, 1994.

DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Félix. Mille plateux: capitalisme et schizophrénie II. Paris, Editions de Minuit, 1980.

DRUMMOND de ANDRADE, Carlos. O avesso das coisas: aforismos. 7.ed. Rio de Janeiro, Record, 2010[1978].

FINNEGAN, Ruth. The hidden musicians: Music-making in an English town. Middletown, Wesleyan University Press. 2007[1989].

FONSECA, Claudia. Família e Parentesco na Antropologia Brasileira Contemporânea. In: MARTINS, Carlos Benedito; DUARTE, Luiz Fernando Dias. (Org.). Horizontes das Ciências Sociais no Brasil: antropologia. São Paulo, ANPOCS, 2010.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 63 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2020.

GELL, Alfred. A tecnologia do encanto e o encanto da tecnologia. Concinnitas, Rio de Janeiro, ano 6, v. 8, n. 1, p. 41. 2005[1992].

GILROY, Paul. O Atlântico Negro: modernidade e dupla consciência. Rio de Janeiro: Cândido Mendes, 2002.

GRUNVALD, Vitor. Juventude periférica, gênero, sexualidade e violência de Estado: notas a partir de uma família LGBT na cidade de São Paulo, Ponto Urbe [Online], 28, 2021.

GRUNVALD, Vitor. Lâmpadas, corpos e cidades: reflexões acadêmico-ativistas sobre arte, dissidência e a ocupação do espaço público. Horizontes Antropológicos, v. 25, p. 263-290, 2019.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Volume II. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

HARAWAY, Donna. Saberes Localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, Campinas, v. 5, n. 1, p. 7-41, 1995.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. São Paulo, Aleph, 2006.

LATOUR. Bruno. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.

LIMA, Tânia.Stolze. O dois e seu múltiplo: reflexões sobre o perspectivismo em uma cosmologia Tupi. Mana. Rio de Janeiro, 2(2), p. 21-47, 1996.

LÖWY, Michael. Da tragédia à farsa: o golpe de 2016 no Brasil. Por que gritamos golpe?: para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo, p. 61-68. 2016.

MACHADO, Lia Zanotta. O aborto como direito e o aborto como crime: o retrocesso neoconservador. Cadernos Pagu. Campinas, n.50, e175004, 2017.

MAHMOOD, Saba. Teoria feminista, agência e sujeito liberatório: algumas reflexões sobre o revivalismo islâmico no Egito. In: Etnográfica, Portugal, (X)1, p. 121-158, 2006.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Arte & Ensaios, Rio de Janeiro, n. 32, p. 123-51, 2016[2003].

MOMBAÇA, Jota. Rumo a uma redistribuição desobediente de gênero e anticolonial da violência. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, p.1-20, 2016. Disponível em: https://issuu.com/amilcarpacker/docs/rumo_a_uma_redistribuic__a__o_da_vi.

MUÑOZ, José Esteban. Disidentifications: Queers of color and the performance of politics. Minneapolis, London, University of Minnesota Press, 1999.

NEGROPONTE, Nicholas. A vida digital. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

PARIS is Burning. Direção de Jennie Livingston. Estados Unidos, 1990.

ROUCH, Jean. “Our totemic ancestors and crazed masters” In: HOCKINGS, Paul. Principles of Visual Anthropology. Berlin; New York; Amsterdam: Mouton de Gruyter, 2003a.

ROUCH, Jean. “The camera and man”. In: HOCKINGS, Paul. Principles of Visual Anthropology. Berlin; New York; Amsterdam: Mouton de Gruyter, 2003b.

SCHENEIDER, David. A critique of the study of kinship. Ann Arbor. University of Michigan Press, 1984.

SMALL, Christopher. Musicking: the meanings of performance and listening. Middletown, Wesleyan University Press, 1998.

SILVA, Denise Ferreira da. A Dívida impagável. São Paulo, Oficina de Imaginação Política em parceria com A Casa do Povo, 2019. Disponível em: https://casadopovo.org.br/wp-content/uploads/2020/01/a-divida-impagavel.pdf

STRATHERN, Marilyn. 2004[1991]. Partial Connections (Updated Edition). Walnut Creek: Altamira Press.

STRATHERN, Marilyn. Efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

STRONGER, Elvis. Quem manda na noite. Vivência em uma família LGBT. São Paulo, Geni Revista eletrônica, 2016. Disponível em: http://revistageni.org/03/quem-manda-na-noite/

TAUSSIG, Michael. Mimesis and Alterity: a Particular History of the Senses. Nova York/Londres, Routledge, 1993.

TURNER, Victor. From ritual to theatre: the human seriousness of play. New York, PAJ, 1982.

UZIEL, Anna Paula; MELLO, Luiz; GROSSI, Miriam Pillar (Ed.). Conjugalidades, parentalidades e identidades lésbicas, gays e travestis no Brasil. Rio de Janeiro: Garamond, 2007.

UZIEL, Anna Paula; MELLO, Luiz; GROSSI, Miriam Pillar. Conjugalidades e parentalidades de gays, lésbicas e transgêneros no Brasil. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v.14, n.2, p.481-87, 2006.

WAGNER, Roy. A Invenção da Cultura. São Paulo: Cosac Naify. 2010[1981].

WALLERSTEIN, Immanuel. A análise dos sistemas-mundo como movimento do saber. In: VIEIRA, P. A., LIMA VIEIRA, R., & FILOMENO, F. A. (org.). O Brasil e o capitalismo histórico: passado e presente na análise dos sistemas-mundo. São Paulo: Cultura Acadêmica Editora, p.17-28, 2012.

YOUNGBLOOD, Gene. Expanded cinema. New York, P Dutton&Co, 1970.

WESTON, Kath. Families We Choose: Lesbians, Gays, Kinship. New York, Columbia University Press, 1992.




DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.119002

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - BIEV/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191

iluminuras@ufrgs.br