Cartografando Desejos: etnografia visual nos pontos de prostituição femininos em Goiânia/GO e Aparecida de Goiânia/GO.

Joab Júnio Dias Gregório da Silva

Resumo


Ao longo deste ensaio visual busquei compartilhar emoções, deslocamentos e reflexões, a partir do conjunto de observações realizadas em quatro espaços voltados à prostituição de pessoas travestis e mulheres cisgêneras nas cidades de Goiânia/GO e Aparecida de Goiânia/GO, ao longo do biênio 2019-2020.

Questionando o modo com que o presente nicho do mercado sexual permite compreender a produção de territorialidades e fronteiras urbanas, lancei mão de um relato etnográfico multissituado, recorrendo às derivas urbanas enquanto recurso metodológico para produção de dados em campo. O Diário de Campo e os desenhos etnográficos fizeram parte das técnicas empregadas para compilação e análise dos dados produzidos.

Por meio deste ensaio foi possível grafar o conjunto de trajetos realizados durante a minha pesquisa, considerando os diálogos travados, situações vivenciadas em campo e tensionamentos experenciados junto às minhas interlocutoras, permitindo assim compreender as formas de apropriação, ressignificação e gestão de territórios voltados à comercialização de serviços sexuais.


Palavras-chave


Prostituição feminina; Territórios; Etnografia; Desenhos etnográficos.

Texto completo:

321-329 PDF

Referências


DEBORD, Guy. Teoria da deriva. In: BERENSTEIN, Paola Jaques (Org.). Apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003. pp. 87-91.

GOMES, Inês Belo. “Deixei o desenho enterrado” ou como ressuscitar o grafismo enquanto metodologia antropológica: um caso prático. Cadernos de Arte e Antropologia, Salvador, V. 5, n. 2, pp. 75-90, 2016.

MARCUS, George E. Ethnography in/of the World System: The Emergence of Multi-Sited Ethnography. Annual Review of Anthropology, Palo Alto, v. 24, pp. 95-117, 1995. Disponível em: . Acesso em: 09 dez. 2020.

NIETO OLIVAR, José Miguel. “Dibujando Putas: reflexiones de una experiencia etnográfica com apariciones fenomenológicas”. Revista Chilena de Antropología Visual, Santiago, n.10, pp. 54-84. 2007.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever. Revista de antropologia, São Paulo, v. 39, n. 1, pp. 13-37, 1996.

PEIRANO, Marisa. Etnografia não é método. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 20, n. 42, p. 377-391, 2014.

SILVA, Larissa Maués Pelúcio. Nos nervos, na carne, na pele: uma etnografia sobre prostituição travesti e o modelo preventivo de aids. 2007. 313 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2007.




DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.111029

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - BIEV/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191

iluminuras@ufrgs.br